terça-feira, 29 de janeiro de 2008

Puta da vida...


Mesmo diante de tantas mudanças e não querer me encaixar em rótulos, tem uma coisa que aprendi com a vida e com o tempo de militância de esquerda que não esqueci, que não mudou e que de fato acho importante: esse negócio de ficar em cima do muro é coisa de hipócrita e muitas vezes uma oportunidade para pilantragem...Há momentos na vida que você precisa se posicionar e arcar com as consequências de sua decisão. Não dá para ficar simplesmente em cima do muro porque quem está embaixo ou em cima dele acaba se ferrando. TOMANDO bordoada de todos os lados para que confortávelmente o tal indivíduo que fica em cima do muro desfrute das vantagens das situações. Eu sempro me posiciono, mesmo com a faca nas costas. E pior do que ficar em cima do muro é ver QUE UM AMIGO usa deste expediente. A decepção é tremenda...E se este tipo de atitude continua sendo inexplicável, imagine quando se trata dos amigos que deveriam se leais como os cães...Bourdieu, um sociólogo francês, utiliza uma expressão muito boa para a não tomada de posições em certas circusntâncias como se elas não exitissem, tabu do explícito: eu finjo que eu não sei que você sabe que eu sei que você sabe. Sejamos mais corajosos. Joguemos também mais merda no ventilador. Desembanhemos nossas espadas em nome do que acreitamos, do que amamos. Vamos para Guerra ou mandemos o mundo pelo menos tomar no cú.

sábado, 26 de janeiro de 2008

De autoria de Jad, extraído do Blog Between us, que foi do MSN...

De trás para frente...
Jady diz:
mulher postei a nossa conversa hoje no blog kkkk e me pediram o telefone dessa minha "terapeuta" pq acharam ela massa
Jady diz:
kkkkkkkkkkkkkkkkk

Thaisa:"Bom-dia sempre: se acaso a resposta vier fria ou tarde vier, contudo esperarei o bom-dia." (Drummond) diz:
ainda bem visse
Jady diz:
Terapia - me passa o endereço, msn, caixa postal, seja-lá-o-que-for dessa tua terapeuta pq achei ela MASSA, rs*
Thaisa:"Bom-dia sempre: se acaso a resposta vier fria ou tarde vier, contudo esperarei o bom-dia." (Drummond) diz:
se não tava fodida manda o link para eu ver o q foi mermo que falei pq xico xavier encorporou
Thaisa:"Bom-dia sempre: se acaso a resposta vier fria ou tarde vier, contudo esperarei o bom-dia." (Drummond) diz:
to esperando
Jady diz:
http://jady.blog.br
Thaisa:"Bom-dia sempre: se acaso a resposta vier fria ou tarde vier, contudo esperarei o bom-dia." (Drummond) diz:
gostei do Dra T
Thaisa:"Bom-dia sempre: se acaso a resposta vier fria ou tarde vier, contudo esperarei o bom-dia." (Drummond) diz:
no divã da morena aia ai
Jady diz:
kkkkkkkkkkkkk
Jady diz:
agora sincronizou
Jady diz:
eu usei "dra. t" pq nem sempre as pessoas gostam de ser expostas então, dificilmente eu uso o nome das criaturas... só quando peço permissão
Thaisa:"Bom-dia sempre: se acaso a resposta vier fria ou tarde vier, contudo esperarei o bom-dia." (Drummond) diz:
mas num falei nada demais k
Jady diz:
e eu nem pedi kkkk
Jady diz:
pode postar
Jady diz:
talvez não tenha falado... mas a gente tem dificuldade de ver o que se passa quando tá no meio do redemoinho sempre é bom alguem que veja de flora e pinte o quadro pra gente

Jady diz:
kkkkkkkkkkkkk
Jady diz:
ótmo, pq agora eu vou me sentar lá na sala, pra fazer minhas unhas e assistir a novela
Jady diz:
Obrigada pela companhia o dia todo visse? kkkk
Thaisa:"Bom-dia sempre: se acaso a resposta vier fria ou tarde vier, contudo esperarei o bom-dia." (Drummond) diz:
massa
Jady diz:
e pela terapia virtual
Thaisa:"Bom-dia sempre: se acaso a resposta vier fria ou tarde vier, contudo esperarei o bom-dia." (Drummond) diz:
qdo precisa tamos aqui em offf
Thaisa:"Bom-dia sempre: se acaso a resposta vier fria ou tarde vier, contudo esperarei o bom-dia." (Drummond) diz:
k
Thaisa:"Bom-dia sempre: se acaso a resposta vier fria ou tarde vier, contudo esperarei o bom-dia." (Drummond) diz:
beijos
Jady diz:
outro
Sábado - 09h35 - Terapia pelo MSN
(depois de uma consultoria administrativa)

Jady diz: mulher, eu tava falando agorinha com uma amiga minha que eu tou numa fase meio surtada...

Dra. Dra. T diz:: kkkkkkkkkkkkkkkkk

Jady diz: meio me questionando, questionando meus valores sabe?Jady diz: sabe aquele momento da vida em que você pára para pensar para onde está indo?

Dra. T diz: bem a minha eu vivo quase todos os dias mas tudo bem...kkk

Dra. T diz: kkkkkkkkkkkkkk

Dra. T diz: kkkkkkkkkkkkkkkkk

Dra. T diz: amiga isso é coisa de psicólogo

Dra. T diz: kkkkkkkkkk

Dra. T diz: e pq esse surto perturba?

Jady diz: eu já estava assim, meio querendo mudar-tudo-ao-mesmo-tempo-agora...

Dra. T diz: ah

Dra. T diz: am

Jady diz: Então eu achei um blog (espera que te passo o link) Uma moça, chamada Cristina, estava grávida de 7 meses quando o marido/namorado morreu. E todo mundo diz que o filho dela não vai sentir falta do pai, pq. não o conheceu, mas ela não quer que isso aconteça, então decidiu escrever o blog "para Francisco", que foi uma forma que ela encontrou de "mostrar ao filho", futuramente, como era o pai.Jady diz: o blog é linnnnnnnnnnnnndo

Jady diz: eu li tudo de uma vez só...Jady diz: Assim que eu li, mandei um e-mail para Nilo, com o link, dizendo "eu tenho um amor igual... e a melhor parte da história é saber disso enquanto ele está aqui e agora"

Jady diz: mas aí me coloquei no lugar dela... PUTZZZZZZZZZZZ

Jady diz: eita nêga pra ter força na peruca

Jady diz: não sei se eu agüentaria não visse? Apesar do quê, normalmente é nessas horas que a gente descobre ser muitos mais forte do que achamos que somos.

Dra. T diz: só em tu contar eu já to chorando....

Dra. T diz: aff

Dra. T diz: nam

Jady diz: e aí me perguntei "pra onde djiabos eu tou levando a minha vida?"

Dra. Dra. T diz:: ainda bem q tenho meu lado racional para me apegar

Dra. T diz: amJady diz: não acho que esteja fora do rumo, acho que tenho dado o suficiente, não só pra Nilo, mas pra quem "está por perto" ou quem eu quero por perto... ou quem “por perto faz difereça” ou, ainda, “quem quer estar por perto”

Jady diz: se não é o suficiente, é o que eu posso dar agora...

Jady diz: também acho que tenho recebido o suficiente

Dra. T diz: sei

Jady diz: sempre o suficiente

Jady diz:... mas é só isso o que eu quero: o suficiente, nem mais, nem menos.

Dra. T diz:: e o q perturba então?

Jady diz: O que perturba é, junto, sempre ter uma pergunta: o que é suficiente?

Dra. T diz:: Então

Dra. T diz: kkkkkkkkkkkk

Jady diz: quero pensar nãooooooooooooooo

Dra. T diz: Jady acho que uma coisa que você não percebeu, é que você mudou bastante

Jady diz: (quando puder vai lá http://parafrancisco.blogspot.com e lê tudo... é triste, mas é lindo de se ler... é incrível a forma como você a vê passando pela dor e se fortalecendo dela)

Dra. T diz: antes você fazia um papel mais cru. Hoje acho que você demonstra mais que se importa e está mais desapegada. É mais você.

Jady diz: mudei?

Dra. T diz:: claro

Jady diz: que estou mais desapegada, sem dúvida...

Dra. T diz:: quando eu te conheci, você era uma pessoa centrada em você e no que queria pra você e sua vida. Hoje você pensa de forma mais coletiva: “eu e Nilo”, por exemplo.

Dra. T diz: você deslocou o centro de gravidade que gerou mudanças que nem você se deu conta que aconteceram

Jady diz: pensar coletivamente pode ser uma grande roubada, mas me sinto pisando em terreno seguro. E isso também confunde... A queda, se houver, vai ser grande

Dra. T diz: Quando falo coletivo é sentir e acreditar q pode confiar nas pessoas e q pode delegar "tarefas" a ela q mesmo pisando na caquinha, vão tentar fazer o melhor de si

Dra. T diz:: Porque nem a gente mesmo quando planeja algo perfeito, sai perfeito

Dra. T diz: então hoje você consegue conviver mais com os outros na sua vida de verdade sabe?Jady diz: saquei...

Dra. T diz: a auto-suficiência protege do baque, mas das alegrais também. Não se vive.

Jady diz: Acho que vou começar a fazer terapia .... Aqui perto tem uma clínica... Vou "pular da cama pra lá" kkkkkkkkk

Dra. T diz: kkkkkkkkkkkkkkkkkk

Dra. T diz: Olha nem todo caso é caso pra terapia no mau sentido: se você for para tomar mais consciência dessas suas mudanças... massa e ficar em paz

Dra. Dra. T diz:: Porque vc mudou tão devagar e tão sem cortes profundos que você não acredita hoje que vc é vc

Jady diz: (é pra algo assim mesmo...)

Dra. T diz: é como de repente acordar de manhã e ver q vc se tornou outro, acho q vc ta um tanto assim

Jady diz: mulher... o papo tá bem produtivo (apesar da preguiça e do tédio), mas vou ter que sair agora pra ajudar minha mãe a comprar um maiô...

Dra. T diz:: massa

Jady diz: Mas devo passar o dia de frente ao micro, pq Nilo está jogando, então, até mais tarde

Dra. T diz: divirta-se

Jady diz: se der, a gente se fala... você também!!

Dra. T diz:: massa

Dra. T diz:: beijo

Jady diz: (é... tenho certeza de que estou um tanto assim kkkkk)

Dra. T diz: kkkkkkkkkkkkkkkkk

Dra. T diz: ainda bem

Dra. T diz: isso é bom

Dra. T diz: num é ruim não

E minha mãe não comprou o maiô, mas eu comprei dois shorts, uma saída de praia, tinta pra cabelo (eu disse que era como no AA) e três marshmallows gigantes. Um deles já se foi e, enquanto ele “ia” eu pensei e...

* Sim eu sou tão diferente do que eu era e, ao mesmo tempo, tão igual, que assusta. Como pode uma pessoa mudar tanto sem mudar nada?

* Sim, eu sempre me considerei uma pessoa bem desapegada. Se eu, hoje, sei ser mais desapegada ainda, isso não pode ser confundido com descaso?!

* Sim, sempre fui muito centrada, sempre soube exatamente o quê, como, quando e quem queria. E sempre fui atrás. Sabia tanto disso que, hoje, nessa vida de “coletividade”, quase não sei não saber o que quero pra mim. Eu estou apenas dando meus primeiros passos nesse novo mundo coletivamente azul.Mas hoje eu não quero pensar... Quero apenas passar o dia com novas cores no cabelo.Um ótimo sábado procês.

MAS NEM TODA MUDANÇA É ASSIM...INFELIZMENTE. ALGUMAS DEIXAM CICATRIZES PROFUNDAS E QUALIFICAM UM ESTADO BASTANTE DOLOROSO...Mas ainda bem que NEM É COM TODO MUNDO, UFA! Enquanto há vida, tb tem esperança...

sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

Miséria SA


Hoje a postagem é diferente. Sai da discussões sobre as relações à dois para discutir as relações a três, quatro, cinco...As relações em sociedade. Não sei se você já se perguntou:"Devo ou não devo dar esmolas?". Pois é, ultimamente não aguento ver miséria, mas não é porque imagino que o mundo seja rosa, mas porque me dói ver que as coisas não mudam; que as pessoas banalizam a miséria, a violência, como se fizessem parte da paisagem. E olha que antes só de ver já me fazia muito mal. Não dormia pensando:" o que foi que fiz para ter uma vida um pouco melhor do que as do que passam fome?";"O que, ou quem, determinou que eu seria uma escolhida?" De certa forma também banalizei essas coisas. Infelizmente meu tempo de militância de esqueda me mostrou que a mudança não é fácil e que muitas vezes as pessoas que mais necessitam deste tipo de mudança parecem que não a querem, afinal "desde que o mundo é mundoa as coisas são assim, né?"Alguns ditos populares são imbécis e ajudam a manter o sistema tal como ele é. São um reflexo do que o povo pensa e também intrumento para manutenção do poder...Antes dava esmolas para que a minha consciência cristã ficasse mais aliviada, mesmo sabendo que aquela esmola iria ser uma ajuda imediata, que não iria resolver a situação e que, pior ainda, talvez alimentassem o sistema da esmolagem, no qual as pessoas se acomodam e passam essa herança cruel de filhos para netos, perdendo sua dignidade e naturalizando a vida de pedintes a qual vivem. Passei então a comprar adesivos, canetas, balas de crianças, adolescentes e adultos e aí me venho outra questão: "Não estaria de novo alimentando a naturalização do sistema com a exploração do trabalho muitas vezes infanto-juvenil, ou então, o crescimento do trabalho informal, o qual não permite nenhum tipo de segurança ao trabalhador?" Enfim, são tantas as questões que "se correr o bicho pega se ficar o bicho come". A importância do dinheiro, do acumular riquezas, vem tomado proporções tão absurdas que se mata por R$ 1,000. Não só para matar a fome, mas para saciar a sede de vigança de uma classe que tem cada vez menos comparada a outras. Inclusive o entendimento da loucura sai da esfera da razão para entrar na do sentido...Nem os "doidos" rasgam dinheiro. Dá para acreditar? Pelos menos é a segunda vez que um cara me aborda pedindo uma ajuda e eu digo não e ele diz que"vou morrer atropelada". Da primeira vez que ele me disse isso eu disse que se Deus quisesse ia ser assim. Desta eu ri...Seria engraçado se não fosse trágico. Em menos de um mês...Mas nem tudo está perdido. No mesmo dia encontrei uma professora, aquelas que trabalham com meninos carentes, em situação de vulnerabildade. Ela encontrava "suas crianças" no ônibus, chamando pelo nome e tratando tão bem quanto aquelas que tem pais que pagam caro para suas professoras fazerem o mesmo. É isso aì. Para terminar a música do Rappa:

Miséria S.A.
Composição: Pedro Luis


Senhoras e senhores estamos aqui

Pedindo uma ajuda por necessidade

Pois tenho irmão doente em casa

Qualquer trocadinho é bem recebido

Vou agradecendo antes de mais nada

Aqueles que não puderem contribuir

Deixamos também o nosso muito obrigado

Pela boa vontade e atenção dispensada

Vou agradecendo antes de mais nada

Bom dia passageiros

É o que lhes deseja

A miséria S.A

Que acabou de chegar

Bom dia passageiros

É o que lhes deseja

A miséria S.A

Que acabou de falar

Lhes deseja , lhes deseja

Lhes deseja , lhes deseja

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Nem tudo o que brilha é ouro


No jogo da sedução acontecem episódios que são por demais engraçados. Quando reassisti o filme "Os Normais" na Glogo, lembrei de alguns episódios que me são confidenciados pelos(as) amigos(as) que são, no mínimo, super-engraçados e que , na modesta opinião destes(as) são normalíssimos...No filme, a personagem Vani encontra uma taça de champagne manchada de um batom desconhecido. Depois da desculpa esfarrapada do atual marido de que tinha sido a faxineira álcoolatra, "viúva, cardecista e que não transa desde 1963", ela decidi testar todos os batons e fazer um interrogatório. Bem, esse episódio não foi mera ficção. Uma amiga não encontrou a mancha na taça, mas na gola da camisa do marido (um clássico). Foi então que, endossada com a existência de uma fatura de loja de pneus (provável motel), ela decidiu testar também seus batons para ver se algum batom tinha a cor compatível com a "prova" na gola da camisa...Nenhum era. O cassete comeu feio.

Outros episódios também parecem, mas não são ficção como, vasculhar celular a procura de nomes e horários suspeitos, a bolsa suja da namorada para ver se ela viajou com alguma lingerie especial ou suspeitar que a suposta "falta de apetite" sexual é sinal de quem tem outro galo na área. Olha que esse privilegio não é só de mulher ciumenta não. Homem também faz absurdos.

Para finalizar, o último episódio é de como uma mulher se dando o devido valor nestes jogos de sedução tem mais a ganhar do que a perder...Geralmente homem acha que mulher sozinha é alvo fácil e que topa tudo por carência. Eles não entendem que se facilitamos a conquista é para demonstrar não que somos melhores, como os meninos gostam de fazer, mas porque demonstramos o que sentimos. Outro clássico é quando o carinha, quando não está cercado de seu harém, fica todo derretido num encontro casual e fica super afim de puxar papo justamente com quem nunca havia dado atenção. Detalhe: neste momento a menina não sede e deixa ele conversando sozinho...Ah!Coitado. Tem ser humano que às vezes merece o desdém...Aprendam meninas e meninos!Porque nem tudo o que brilha é ouro e que nem toda coincidência é mero acaso.

terça-feira, 15 de janeiro de 2008

A epidemia da longevite relacional...


Ultimamente uma pulguinha vive atrás da minha orelha. Por que será que principalmente os homens tem feito questão de não se relacionar minimamente com as mulheres? Olha que não estou falando de filhos, casamento, casinha cor-de-rosa, mas ligar no dia seguinte depois de terem tido uma noite "inesquecível"...Primeira lição de um Don Ruan. Bem, eu pelo menos não aguento mais ouvir minhas amigas e amigos, em posição contrária, dizer que os meninos estão com trauma do último relacionamento que despedaçou seu coração e optam por curtir a vida a doidado. Não que isto seja ruim, mas não dar para usar a relação fracassada como desculpa da curiosidade pueril. Meninas essa desculpa é esfarrapada. Se nós mulheres abrissemos mão do prazer que é ter uma relação a dois de encontros e partilha, o mundo estaria despovoado. Uma amiga me disse em uma dessas conversas que poucos homens já puderam desfrutara o prazer que é compartilhar momentos com alguém com maior intensidade, com menos fugacidade e superficialidade. Inclusive a mesma aconselha os filhos adolescentes de outras amigas a ligarem pelo menos no outro dia para suas deusas de uma noite. Isso é o mínimo. As mulheres não são tão burras assim que não percebem o que terminará como resultado de apenas uma noite. Na verdade o que muitas fazem é manipular a situação ao seu favor. Enfim, eu continuo sendo chamada de sonhadora porque acredito que esses encontros sejam possíveis e que mesmo o galã do Don Ruan pode não melar aquela noite tão linda com desculpas vãs...Acho que não é lenda não. A gente que anda se contentando com muito pouco. Sejamos todos felizes e menos caretas com essse negócio de liberdade. Pessoas perfeitas não existem. Não podem ser expostas em vitrine como quem troca um modelo novo de num carro importado por outro mais novo ainda. Esse é o sonho americano de quem pessoas podem ser consumidas...E para todos que não aceitam em acordar ao lado de um(a) desconhecido(a) vazio(a) de significado para você, com o qual não se pode chorar, rir, dizer que tem medo e que precisa de carinho, eu desejo alguém com quem possa acordar pela manhã e contar todas as "pintinhas" do seu par e que apesar de conhecer todas elas ainda descubra outras mais e se encante com a descoberta. Desejo encontros como os de meus amigos Jad e Nilo. Eles trocaram alianças depois de oito anos de namoro, às 0 horas de 2008 à beira mar no bum-bum dos fogos. E detalhe não foi ela quem me contou. Foi ele que me confidenciou todo orgulhoso esse momento tão perfeito no nosso primerio telefonema de 2008. Le espoir...Esperança. Esta é a linha tênue entre a razão e o sonho possível. E que todos os sonhos sejam possíveis e que Jad e Nilo continuem simbolizando minha esperança de um casal 20 moderno. O casal 20 saltaram da tela do seriado da globo que assitia quando criança, vivendo suas aventuras à la James Bond, para protagonizar a aventura da rotina, da fugacidade, do estresse e das falsas ofertas de "mercado de consumo humano" no nordeste paraibano. Parabéns amigos e que vocês sejam muito felizes...Que sejamos todos.

sábado, 12 de janeiro de 2008

Para desfazer alguns equivocos...


2008 como diz minha amiga Kércia Paulino começou "bombando", seja por alguns probleminhas que vieram a contra gosto de 2007, seja pela minha necessidade de dizer:"que se danem os outros. Não me importa se você acha que sou muito infantil e romântica, ou então, muito centrada". Afinal sou as duas coisas. Na hora H posso ser mais "macho que muitos macho racional ao extremo" e quando quero brinco e sou uma heroína romântica, mas não à moda antiga (as que acreditam em cavalo branco, príncipes lindos,loiros e ricos). Porque o meu princípe é pós-moderno leva livros na mochila, a vontade de viver na cabeça e a sensibilidade no peito. E as pessoas que encontramos pela frente nos guiam nessa viagem e marcam o aprendizado que nos prepara para aquilo que queremos quando finalmente tivrmos certeza. Nada me ameaça só o medo de me arrepender de algo que não fiz...e sempre foi assim. "E o que está dito está dito e que assim seja". Sou tetralédica: produto de sínteses de novos e antigos acontecimentos, mais os impoderáveis da vida....Tenho medo, sinto dor, amo e mais do que qualquer coisa vivo intensamente cada um deste estados. E quando for a hora caio fora porque doida sim, mas burra não....Como sempre minhas postagens tem que terminar em música, no caso em samba...

Novo dia

Sigo pensando em você

Fico tão leve que não levo padecer

Trabalho em samba e não posso reclamar

Vivo cantando só para te tocar

Todo dia

Vivo pensando em casar

Juntar as rimas como um pobre popular

Subir na vida com você em meu altar

Sigo tocando só para te cantar

É o bonde do dom que me leva

Os anjos que me carregam

Os automóveis que me cercam

Os santos que me projetam

Nas asas do bem desse mundo

Carregam um quintal lá no fundo

A água do mar me bebe

A sede de ti prossegue

A sede de ti...

(Bonde do Dom - Marisa Monte)