segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Pressão ai ai...


Quando comecei a gradução sempre alardiava ao mundo meus projetos para o dominar o mundo. Pós gradução, mestrado e doutorado. Não que eles tenham mudado muito porque de fato sempre quis seguir carreira acadêmica. De início com aquele sonho infantil que iria mudar a cabeça de milhões de aluno que ensinasse a tentar fazer um mundo, diferente. Aí, eu descobri que não é bem assim. Uma boa massa está por estar na sala e não está nem aí para o mundo ao não ser em garantir a sobrevivência. E não que garantir a sobrevivência seja ruim!

O fato era que os projetos eram meus e não da minha família. Então, terminei a graduação e quase "surtei" no mestrado. Hoje para escrever meu projeto para o doutorado tive vencer o primeiro trauma: LER com afinco e prazer. Em seguida, o segundo trauma: ESCREVER relativamente bem, como quem faz uma lista de compras. Agora preciso encarar o quarto trauma: conseguir cumprir DATAS. E o quinto e mais importante: passar por um comitê de avaliação. NOSSA ESSA ME DÁ ATÉ ARRÉPIOS NA ESPINHA.

Antes do mestrado isso não me assustava, mas hoje, para mim, é um terror. E a minha família agora, que não entente nada de carreira acadêmica, acha que só é conseguir um título para se amostrar, status, fica o tempo todo me exigindo datas. "Quando vai ser a seleção?""Tipo para quando é o menino?" Quando NA VERDADE eu ainda estou noiva do doutorado, ai ai...queria que essa experiência fosse diferente. E tenho certeza que para enfretá-la não basta apenas vontade, mas, e principalmente, maturidade acadêmica e paciência para se perceber pronto. Antes as pessoas faziam doutorado muito mais velhas. A pressçao do mercado coloca isso como algo urgente nos dias de hoje. E o que fazer: tentar não dar ouvidos e o que der deu. Sorte para mim.

O que tenho aprendido com isso tudo: a se menos caxias e a desencanar. Tudo ao seu tempo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Queres aclarar, observar, deduzir, narrar despretenciosamene? Bem-vindo! Caso queiras apenas maliciosamente criticar, por acaso não é seu espaço, nem virtual...