quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Todo mundo tem telhado de vidro?


Essa foi a afirmação que o personagem Tarcísio Meira na novela "A favorita" fez em relação ao episódio do triângulo amoroso: prefeito Elias - sua mulher Dedina - melhor amigo Damião. Nossa a cena foi peso. E de fato todos nós já comentemos erros que às vezes no envergonhamos ou que no mínimo não queremos lembrar...Ser traído(a) não é fácil, mas imagine ser traído por quem ama duas vezes: marido/mulher e amigo(a). Na hora você fica perplexo. Não quer acreditar. Mas a cena em que Elias pergunta como começou, quando começou, quantas vezes foram...nossa é de matar. Tanto para quem trai como que é traído. É uma forma de escarafunchar na ferida mesmo, como se todas essas informações fossem resolver o problema. Entretanto, para não parecer uma postagem muito pesada já que meu objetivo de vida é ser leve, leve...gostaria de destacar dois fatos:

1) Vergonha: todos os envolvidos sentem muita vergonha, na maioria das vezes, a de quem ama é especialmente complicada porque foi pego de surpresa e sente vergonha de amar uma pessoa que supostamente não merce seu amor. E a respota dos amantes que foi tudo por sexo, nossa é ainda mais complicada. É como se fosse traição por motivo tosco, "crime com intenção de matar o ex-amado". Ninguém esquece esse tipo de traição. Eu já trai sim. Não exatamente nas condições da novela, mas não me orgulho e o motivo não foi tosco porque de fato me apaixonei. Contudo, tentarei não fazê-lo novamente. Também já fui traída, e tantas vezes e por tantos que perdei as contas, e passando pela mesma situação da novela. Ai! Mas não guardo rancor, por isso no poster anterior tenho a inabilidade de não ser rancoroza.

2) Post-mort: após o fato, não há condições da amizade ser retomada (espero que a Globo não faça isso). A traidora necessariamente não será uma vagabunda (espero que a Globo também não faça isso). É humana sujeita a erros e acertos. E o marido após a vergonha não será sempre um coitadinho porque ele pode dar a volta por cima. Todos podem. Talvez não se odeem, mas não dá para ter a mesma confiança de um melhor amigo e muito menos a relação ser retomada do mesmo jeito. Tudo muda para diferente. Talvez melhor. O amigo(a) não é culpado, nem inocente, assim como a mulher traidora ou o marido traido. Como aprendi: Nesse tipo de história não há inocentes.

Mas tudo passa, tudo sempre passará...




3 comentários:

  1. Eu já estive em todas as posições... Traí, fui traída, e fui amante... Traí por vigança e aprendi que se for trair, tem que ser por tesão. Traí por tesão e descobri que é muito gostoso mas, no final, acaba não compensando. Provavelmente fui mais traída do que eu sei que fui traída, mas não guardo mágoa ou rancor de nenhuma das vezes ou pessoas. O exemplo é o ex,que me traiu com força e hoje temos uma amizade linda demais. Eu já fui a amante e acho que de todas as 3 posições, essa é a pior, pq vc acaba fazendo com alguém o que odiaria que fizessem com vc... bate meio que de frente com os principios que regem a minha vida..,

    é isso... ah!! E se eu disser que não chamei a mulher de rapariga vou tá metindo. Porque pra mim a bicha é uma quenga mesmo. Também acho que seja natural, normal, sentir tesão por outras pessoas além do parceiro, mas o que você vai fazer com isso é questão de caráter... Se a mulher tem noção de que o marido é bom etc e tal, se ela o ama, pode crer... ela deixa passar pq ela sabe, no fundo, o que é melhor pra ela.

    ResponderExcluir
  2. ahhh Thaysaaaaaa!!!
    depois posto a receita do meu macarrão!!! eh muito massa mermU VEY!!
    fACIM, RAPIDIM E GOSTOSIM!

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    eu sou assim, mil e uma invenções!!! hehehehe


    beijão!!!

    Criisss

    ResponderExcluir
  3. Também acho Jad que a pior posição é quando a gente trai porque bate com os princípios da gente...

    ResponderExcluir

Queres aclarar, observar, deduzir, narrar despretenciosamene? Bem-vindo! Caso queiras apenas maliciosamente criticar, por acaso não é seu espaço, nem virtual...