terça-feira, 2 de dezembro de 2008

No túnel do tempo com Barrados no Baile


Em meio à muvuca de: Estudar ou descansar e não enlouquecer? Eis a questão. Uma paradinha para ver o filme Barrados no Baile foi bem vinda. Na década de 90 não tinha novelinhas para adolescentes brasileiras como Malhação, então, a gente se virava com séries americanas. Barrados no Baile então se tornou a série americana da minha adolescência.

Reprisando agora aos sábados no canal 11 da rede TV às 6 horas pelo relógio de Brasília, nesse último sábado pude reviver coisas da minha adolescência. E uns acréscimo a mais né? Porque cresci, (rsss), e muito, 1, 73 para ser mais precisa. Então:

  • Que roupas eram aquelas heim? Horríveis! Parecia que a pessoa caia dentro do guarda-roupa e saia com tudo, nam!
  • Assim, os conflitos do seriado eram um tanto pesadinhos para adolescentes de 13 a 15 anos não? Eu revendo comecei a achar... Por isso que as minhas fantasias juvenis andavam soltas;
  • De fato sou louca pelo Bredon. Ele é o tipo do garoto muito fofo: gentil, sensível, inteligente e brincalhão. Tudo bem! Assumo que quando Dilan entrou na série fiquei um tanto dividida. O bom moço x O bad boy. Mas bad boy meche com a fantasia de qualquer adolescente. A história do perigo, da aventura, da intensidade das coisas...mas tudo cai na rotina também. Até isso. O legal mesmo é o bom moço que na hora do” vamos ver” faz a coisa mais linda do mundo. Tudo bem que minhas amigas ainda continuaram apostando no Dilan, mas eu não. Os Bredons do mundo é que definitivamente fazem meu tipo porque sou romântica, tá? Não me tornei ainda uma garota sex machine...
  • Quantas mensagenzinhas o filme deixa heim? 1) Não saia com desconhecidos pode ser uma cilada - mamãe dizia – e muito menos vá para casa dele ou beba o que ele oferecer; 2) Nunca aparente ser uma mulher que você não é porque se não depois o cara apresenta a “fatura”legal te cobrando. As outras não me lembro mais...

Lembrei da minha ex-melhor amiga e prima dessa época porque sábado pela manhã quando éramos adolescentes era dia de barrados no baile com direito a almoço e a sobremesa. Minha irmã veio no meio do filme com uma surpresa para tudo ficar completo: um pedaço de torta de morango com chocolate branco. Ok! Os morangos tinham o gosto da minha maturidade e um pouco do frisson das sobremesas da minha adolescência. Ai! Lembrei ainda que no meio do seriado tinha um primo que me chamva de Valerie de Barrados. Eu a achava horrível (gorda e peituda), além de ser mal-caráter do olho junto né? E eu nunca fui, ow!Injustiça.

Um comentário:

  1. Pois é... e a gente achava as roupas tudo o que há né?! kkkkkkkk Mas se vc prestar atenção, estamos numa época em que a moda é isso: pular no guarda-roupa e sair andando. É cada presepe que a gente vê hoje em dia... E eu simplesmente ODEIO essa moda de sutiâ à mostra.

    E se vc prestar bem atenção, os dramas são atemporais. Existirão sempre, em qualquer época e lugar...

    xêro

    ResponderExcluir

Queres aclarar, observar, deduzir, narrar despretenciosamene? Bem-vindo! Caso queiras apenas maliciosamente criticar, por acaso não é seu espaço, nem virtual...