sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Misturas





  1. A bala sete belo teletransporta-me para minha infância. Tem um gosto inocente, pueril e de viagem de trem com bolsa do snoopy;
  2. Licor de menta com guaraná parece bebida de desenho animado: refirgerante com gosto de... MENTA;
  3. Cerveja malzebier com coca-cola tem gosto de adolescência transgressora;
  4. O filme "Amor e Inocência" me fez pensar o que não há de inocente no amor ou que pelo menos ambos não se misturam apesar das aparentes afinidades. O amor furtivo de toques roubados, olhares penetrantes e provocações irônicas, nada tem de inocente. O que caberia a uma mulher do século XVIII: ceder ao amor e viver de penúrias ou tentar uma vida de solidão e realização profissional e pessoal através de seus romances?Plagiando uma colega é muito difícil se "desordenada romântica..."
Por fim, arremato todo amor e inocência que tive e que me foram roubados aos poucos durante a vida, com uns versinho do século XXI de Jessier Quirino me foram repassado pela minha amiga Vivi:


Eu desejo uma arapuca
De pegar felicidade
Três caminhão de sossego

Um rio de prosperidade
Mil pulo de alegria

Cem carnavá de folia
Dez anos de mocidade.

Um Ano Novo polpudo

Sem freio e sem vexação
Com almoço, jantar e ceia

De afrouxar cinturão

Saúde da caprichosa

Chei de soneca gostosa

Numa redinha de algodão

Um Ano Novo melhor

Do que dinheiro achado

Do que manhã de calor

Tomando ponche gelado.

Melhor do que ser governo
Sem precisar de eleição
Do que ganhar na loteca

Sem preencher o cartão

Melhor de que espaguete

Melhor do que toalete

Na hora da precisão.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Queres aclarar, observar, deduzir, narrar despretenciosamene? Bem-vindo! Caso queiras apenas maliciosamente criticar, por acaso não é seu espaço, nem virtual...