terça-feira, 31 de março de 2009

Ninguém merece, ou merece?



Ninguém merece achar que companheirismo ou cumplicidade é colocar o outro para catar uma casa para alugar dentro das "brenhas" de Campina num sol de rachar. E detalhe sem poder reclamar ou fazer leseirinhas (Olha a vaquinha! E a borboletinha! Cherio de sonho, oba!)...Olha, se ainda soubesse no que ajudar, ok! Mas mesmo assim, a companhia útil já estava lá, um amigo/guia da área. Então, mais do que programa de índio, o apoio me rendou uma insolação, um puta cansaço e abuso do abuso dos outros. Prova de amor é colocar o outro para morrer torrado no sol, não é isso?;


  • Ninguém merece ser chamada de Antônia do " Caminho das Índias", pois é! Meus amigos dizem que pareço com ela, mas não é fisicamente não. É no nível do desengonçamento, pode? "Ela é bonitinha, mas é abestalhada..." (plajeando os forrós de plástico). E no mesmo dia eu derrubei duas caixas de chocolate no supermercado comprovado a teses desses. Ai, ai...;


  • Todos merecem momentos Zen: zen noção, zen juízo...como os do slides acima...Incenso, flores, boa comida, risadas, chocolate...Tudo de bom!


  • Ah! E merece outras dicas para relaxar. Olha as 9 dicas de atitudes que encontrei na revista Ana Maria (kkkk...Higiene mental): 1)dar uma bela gargalhada ( É massa!); 2) pôr a mão na terra (Plantar não é uma das minhas aptidões mas....);3) cantar; 4) sair para dançar ( Eu indico uma rave, urru! Soltar os bichos...); 5) fotografar gente querida (nossa isso é massa, eu adoro); 6) receber uma massagem (E com óleozinhos aromáticos é tudo de bom...); 7) entrar em contato com a natureza, ouvindo o barulho de água, mar, cheirar a maresia, por os pés na areia, ver flores...; 8) o limão é uma fruta anticansaço, portanto, óleos e essências com cheiro de limão, ou quem sabe as raspas melhora o ambiente e quem está nele; e por fim, 9) cuidar de bichinhos (E! Essa eu não sei não...Vale Urso de pelúcia?)


  • Chocolate: acho que tudo merece. Vocês sabiam que 26 de março é o dia do Cacau e que na Antiguidade esse fruto era considerado mágico por ser capaz de repor a energia das pessoas, além de fazr bem ao coração, se consumido 30 gramas por dias ajuda a manter o peso (isso é um achado!), gera felicidade (Oh! como sei...), acalma a ansiedade (Vixe! esse sem comento porque ele é minha pílula mágica), estímula o fluxo cerebral e alívia o cansaço? Gente Thaisa também é cultura...de besteira, kkkk;


  • Sabão com óleo de cozinha: o planeta merece. Lá vai a dicas de reciclagem. Só não sei como fica o cheiro, mas anota aí: 5 litros de óleo de coxinha usado, 1 litro de solda caústica (cuidado, heim! Substância corrosiva) e um 1 litro de desinfetante. Num balde plástico adicione o óleo a soda e mexa com um cabo de vassoura por 15 minutos, acrescente o desinfetante e mexa por mais 30 minutos. Despeje a massa em caixas de leite longa vida e deixe descansar por 24 horas. Tire das caixas e corte em partes . Em mais três dias a massa endurece e pode ser usada na limpeza;


  • Ninguém merece ou merece? Saber que a cor Lilás, de acordo com Feng Shui, é a cor do sucesso e que o amarelo representa saúde, enquanto o azul representa a espiritualidade...E eu que usava amarelo no reveillón pensando na grana. Talvez por isso que os anos sempre passem apertados. Mas agora não tem mais erro, heim? Agora...Onde danado vou achar um acessório lilás ou calcinha? Ai, ai...;


  • Todo mundo também merece um café da manhã ideal. E olha que parece simples, de acordo com a nutricionista Amélia Duarte, não pode faltar mamão com vitamina A, criando uma barreira protetora contra infecções, suco natural de maçã com vitaminas B1, B2, fósforo e ferro, contribuindo para um sono tranquilo e uma boa digestão, café com leite rico em cálcio e vitamina B, com ação antioxidante, além de ajudar a despertar; cuzcuz de tapioca a base de farinha de mandioca rico em vitaminaB e C, cálcio, ferro e potássio;


  • Ah! Para finalizar as dicas, acho que todo mundo também merece saber que lingeries de algodão são ótimas para a sáude da vagina. Além do uso de sabonete ínitmo duas vezes por dias, no máximo, alimentação equilibrada e durmir sem calcinha (Nossa! Essa adorei e já tenho até um argumento para dormir sem essa peça...) E quando me lembro que quando era criança, levei uma tapas porque minha mãe me viu sem calcinha quando estava de saia...Eu só queria sentir uma frescurinha lá embaixo, ow!

    1. ANA MARIA. Abril: São Paulo, 2009. 20 de Março 2009, n. 649

      sexta-feira, 27 de março de 2009

      Entre os exercícios de paixão


      Me senti lisonjeada reencontrar uma professora num momento tenso e de mudanças em minha vida. Ela é a aquela professora que faz a diferença quando passa na história da gente pelo que há de mais humano: a capacidade de ver beleza onde parece apenas a desarmônia de ervas daninhas.... Ser elogiada perante a uma platéia de desconhecidos e contemplada com a menção num livro seu, me fez muito bem: me acalmou, deu-me mais confiança...
      E o interessante é que ela sempre me chamou de forma tão carinhosa de Thaisinhe, que nunca me importei com o fato de ser renomeada como Thaíse e não como sou: Thaisa. Essa também carinhosa Thaísinhe também sou eu: a erva daninha tão bela em sua singularidade quanto a rosa com espinhos.

      Se entre tantos anos de docência ela ainda lembra, por mais remoto que seja, o meu nome, isso para mim já é o auge da excelência.
      A parte que me toca nesse livro da professora Conceição é o que deveria ser o prefácio de um livro que ansiava em ser publicado, mas que nunca o foi, junto a outros dois amigos na graduação....


      "Thaíse dialoga consigo mesma. Desafiadora, não foge dos turbilhões que se apresentam em suas memórias, entrega-se inteira no texto com a pureza da alma e com a lucidez de um sonho vincado com os pés no chão. Seu texto é urgente. Urgente de ficar no ponto presente que impunemente, caminha para um horizonte de listras pretas e brancas que se esfumaçam num espaço macio e difuso as diásporas fundamentais de seus desejos. (...) Os registros dos três cheiram a mel, com sabor curtido em tachos de cobre e terra em cozinhas imaginárias, onde se celebram o encontro, a presença e o destino, num prazer amargo e doce de escrever emoções" ( ARAÚJO, 2009:152).

      O que tenho a dizer a ela é muito obrigada. Ela me propiciou um fôlego novo no meu quarto imaginário muitas vezes abafado e asfixiante....Que mais professores(as) tenham o brilhantismo e o talento de saberem ensinar principalmente aos seus alunos e alunas a serem verdadeiramente humanos.


      ARAÚJO, Maria da Conceição Gonçalves Pereira. Apontamentos de aula:exercícios de paixão. Campina Grande: Editora RG, 2009

      quinta-feira, 26 de março de 2009

      Para não dizer que já falei de Flores



      1. Sobe, desce. Vai e volta. Por isso que ninguém sabe porque é que se destesta tanto o serviço público: ninguém sabe nada, as informações são desencontradas e você roda-roda que nem Peru em véspera de ação de graça;

      2. E que bom que no meio do caminhos enocntramos anjos para nos ajudar. Mesmo quando você não sabe de nada e nem tem um centavo. Que bom! Ainda existe gente assim;

      3. Transcender é...comer chocolate e comprar a revista casa e paisagem que é melhor do que casa e decoração
      4. Tentando ser anjo de alguém e algo poético: roubei flores para dar a minha irmã siamesa. Se é delas morrem num arranjo de algum evento qualquer, que sirvam para trazer sorte e um bom dia para quem as precisa e merece. Afinal se já ensinei a roubar livro da biblioteca, embora nunca tenha tido coragem para fazê-lo porque penso em outras pessoas que queram lê-lo (livros só dos amigos!), o que é roubar flores nos jardins de um lugar qualquer de um alguém qualquer...Que seja por uma boa causa!

      terça-feira, 24 de março de 2009

      Revelo os milagres mas não revelo os santos



      Tem coisas que parecem que só acontecem comigo:





      1. Estava no ponto de ônibus quando um colega de trabalho desce e eu pergunto como ele vai (o clichê da educação) e ele me diz: - Mulher, estou cagado. E eu comecei a pensar como assim Bial? Nós nem temos tanta intimidade e vamos combinar que se eu ficasse cagada jamais diria a ninguém morta de vergonha. Tentando tratar o fato com naturalidade, pergunto se foi algo que ele comeu e ele disse que foi o feijão preto à noite. Jesus toma conta! Será que eu ainda consigo comer feijão preto? E ele ainda me revela que iria numa loja comprar uma roupa por causa do incidente. Como assim Bial (novamente), afinal não seria melhor ir para casa tomar banho e trocar de roupa? Bem como gosto e cú cada um tem o seu;



      2. Esse episódio do feijão me lembrou outro...Um colega saiu com outro colega e na hora do rala e rola na camisinha veio um caroço de feijão. O comentário do encamisado: -Se eu tivesse sem camisinha eu juro que eu cortava a minha "troxa". Que coisa sebosa! Isso só revela que ele realmente é. - E quem ele é? - eu - Um mal educado que não sabe comer. Engole inteiro e não faz mastigação corretamente - ele (eu ri muito...)

      3. Falando de genitálias e afins. Num seminário que estou participando senti um certo "odor" feminino e ai lembrei de uma conversa do clube da Luluzinha sobre o real cheiro da vagina. Geralmente os homens a descreve como bacalhau embora uma das minhas amigas especialista em odores disse que esse comum é errado e que geralmetne pode ser indicativo de que a mulher tem algum corrimento.



      Bacalhau, queijo podre e derivados não é cheiro de vagina. Porém ninguém soube explicar-me qual era o real cheiro da vagina. Eu mesmo sinto apenas o cheiro de sabonete. Hoje, porém, entendi a expressão de porque falam que cheetos tem cheiro de "priquito". Porque o cheiro de vagina que senti hoje era de cheetos e não havia nenhum cheetos no auditório. Xiiii!;



      4. Comecei a trabalhar no setor de educação especial e um dos meu desafios está sendo aprender a língua de sinais (LIBRAS). Claro, que me angustio muito porque quero me comunicar com as crianças e não sei. Apenas alguns sinais básicos. Tudo dentro do trabalho. Mas não eu que encontrei um surdo no ponto de ônibus? E ao fazer-lhe uma pergunta o mesmo apontou para os ouvidos e sinalizou que não ouvia. Então, tentei me comunicar por LIBRAS com ele. E deu certo? Troncho, mas deu certo. O importante é que senti naquele momento o quanto é complicado você querer entender/conversar com outras pessoas e não conseguir. E daíme lembrei de quando estive na França e da intolerância de alguns nativos a falarei devagar e me ajudar a entender o idioma deles. E como aquela situação me deixava estressada e introvertida. Não é preciso ter uma deficiência auditiva, ou outra coisa qualquer, para compreender que devemos sempre respeitar a alteridade do outro e tratá-lo como gostaria que fossemos tratados;



      5. Numa das minhas últimas postagens, relatei sobre um asssédio moral em casa: motivo a tentativa de arranjar um casamento arrumado para a possível Balzaciana aqui. Depois do Pequeno fenômeno metereológico "Catrina"e da calamidade deixada em minha casa (pois estou sem falar com as supostas cúpidas), não é que achei ainda o telefone do possível pretendente nas minhas coisas. Descuido ou será que a ficha não caiu? Tenha dó né?Amassei o papel e deixei do lado do computador para quem viesse a dessamá-lo percebesse que de fato não houve nada engraçado no fato e que eu ainda não mudei de idéia em relação a essa atitude grotesca e humilhante.



      segunda-feira, 23 de março de 2009

      Lições com Mário Quintana


      Um dia após o outro e sempre é bom lembra que temos qualidade e defeitos. Ninguém é igual e todo mundo é diferente e até deficiente porque sempre nos faltará algo. Seja humildade, simplicidade, modestia, solidariedade....E aí me apresentaram esse poema do gaúcho Mário Quintana, intitulado "DEFICIÊNCIAS"....


      "Deficiente" é aquele que não consegue modificar sua vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade em que vive, sem ter consciência de que é dono do seu destino.


      "Louco" é quem não procura ser feliz com o que possui.


      "Cego" é aquele que não vê seu próximo morrer de frio, de fome, de miséria, e só tem olhos para seus míseros problemas e pequenas dores.


      "Surdo" é aquele que não tem tempo de ouvir um desabafo de um amigo, ou o apelo de um irmão.Pois está sempre apressado para o trabalho e quer garantir seus tostões no fim do mês.


      "Mudo" é aquele que não consegue falar o que sente e se esconde por trás da máscara da hipocrisia.


      "Paralítico" é quem não consegue andar na direção daqueles que precisam de sua ajuda.


      "Diabético" é quem não consegue ser doce.


      "Anão" é quem não sabe deixar o amor crescer. E, finalmente, a pior das deficiências é ser miserável, pois:


      "Miseráveis" são todos que não conseguem falar com Deus.


      "A amizade é um amor que nunca morre. "

      domingo, 22 de março de 2009

      Sex apple


      Que interessante:


      Nesse breve vídeo da Descovery Channel, há relatos de que embora a função orgasmática seja diferente quando compara ao homem, nenhuma mulher recusa um parceiro com o qual tenha certeza de que a diverção é garantida, ou seja, que o orgasmo é garantido ou "tenha seu dinheiro de volta!". Se cuidem em macharia. Recusa para fazer sexo pode ser sinal de que você vai mal, muito mal ou pelo menos geralmente manda mal na fita...


      Provérbio de hoje:"Quem quer colher rosas deve saber suportar os espinhos" .


      Eu sempre tiro provérbios de uma caixinha que tenho até chegar em algum que traga algo de significativo para meu dia...

      sábado, 21 de março de 2009

      Vítima de assédio moral em casa



      Diferente de outras postagens, nas quais sempre transformo minha vida num desenho dos Simpson's, ou seja, diante da desgraça sempre há porque para rir, esta tem raiva, tristeza e inidguinação misturadas.


      Tinha acabado de acordar do cochilinho da tarde quando meu celular toca com um número desconhecido e ao atender:

      - Oi, tudo bem - o cara.

      - Aqui é o Fulano- ele dizia enquanto o silêncio perdurava durante a ligação enquanto eu puxava na memória de quem se tratava, afinal conheço pelo menos uns três.

      - Então, estava pensando Thaís [errou meu nome]...Você quer me conhecer?

      -Am? Senhor no que posso ajudá-lo?- Eu.

      -Você mandou uma carta... -ele

      - Eu?Senhor acho que é um engano.

      - Seu número é tal?

      - Sim.

      - Seu nome não é Thaís?- ele [enquanto eu já pensava que se tratava de um engano ou uma brincadeira, um trote, sei lá]

      - Espera para onde eu mandei essa tal carta? - eu

      - Para o rádioclub, com o nome tal e telefone tal. - ele

      -Não senhor não fui eu.

      - Desculpa então, alguém deve ter mandado por você

      - Certo.

      Assim que minha mãe acordou contei e pimba: Tinha sido ela e minha avó que tinham mandado uma carta par aum homem que tinha tinha posto um anúncio no rádio que queria algo sério, era professor, enfim...as duas acharam um ótimo partido.


      Antes da ficha cair, minha mãe ligou para minha avó e eu sem entender e pedindo para que me explicassem, então, quando ela disse que tinha usado meu nome, meu número e minha foto [pois é, roubaram uma foto do meu mural para mandar para o bendito cara...Como assim? Ele gostou de uma carta ou dos meus olhos verdes na praia?Tenha dó!]. Só falei que não acreditava. fechei a porta do quarto e comecei a chorar.


      Foi uma das maiores humilhações que já passei na minha vida. A questão não é: Ei! Qualquer um me queira porque estou chegando aos trinta. Mas: Ei! Me ame porque sou única e especial para algum você...


      Fora da realidade? Talvez. Mas me tratar como uma Balzaquiana que não consegue "arranjar" ninguém é humilhante demais. Omitir a atitude delas então...Foi demais. Tá! Se tivesse me dito e me sugerido mandar uma carta era bem capaz de topar, mesmo por curtição. Mas fazer as coisas nas minhas costas foi muito humilhante...Onde que está os limites desse povo.


      Depois de me trancar no quarto e me recusar a falar com minha mãe e minha avó, fui para net tentar falar com alguém pela net, mas ninguém que pudesse conversar á respeito estava on line...Então conversei com um colega e não contei nada do que aconteceu. Ele foi super-gentil e ainda me mandou um vídeo "como símbolo de nossa amizade e de quanto sou especial, uma pessoa rara...Ainda bem que alguém enxerga que sou alguém...Além de não querer falar com ninguém de portas fechadas, meu objetivo tornou-se em transceder o dia e não sair do quarto para fazer xixi porque nã quero ver ninguém. Principalmente pessoas que dizem que me amam e me tratam como incapaz na esfera afetiva.


      Por que o problema é somente meu? Não será que os homens não sabem amar realmente uma mulher?Nada contra os "cúpidos", acho até legal, mas elas estrapolaram. Isso não é humilhação não?Assédio moral...


      Sobre meninos e lenções


      Adoro chero de roupa limpa e de roupa de cama em tão...Hum! Quando há faxina aqui em casa e as roupas são trocadas, faço todo meu ritual: um banho super demorado com direito a óleos e hidratantes perfumados, sabonete esfoliante, fragâncias em tons suavez. Enfim, uma maravilha. Eu até imploro que a roupa de cama esteja combinando. Tipo: cores e estapas harmonizadas (e não um caranaval), bem como relaxantes. Sem contar a textura macia do "aparato" que conta e muito ...Bem que às vezes meu pedido é atendido.


      Ontem, entretanto, enquanto meu irmão estudava de um lado e eu do outro, durante à noite, quando fomos dormir ele começou a "guerra". Minha mãe deu um lençol de coração coloridinho e que segundo ele "não caia bem porque não é fininho [macio]. É igual ao lençol que a gente dorme quando vai para casa do povo..."


      Como assim Bial? Quer dizer que as visista damos um lencol mais barato, vagabundo, para dormir porque são esteticamente são mais viçosos?


      De fato um lençol macio, uma boa companhia, são os primeiros passos para uma boa noite de sono. Mas confesso que nunca tinha parado para pensar nessa teoria do meu irmão...

      sexta-feira, 20 de março de 2009

      Para insônia


      Remédio para insônia...


      "No dia em que você durmir nos braços de Morfeu você vai entender o que é uma noite perfeita". - me foi dito referindo-se aos braços de um amor que me faça durmir "lelaxada, lelaxada"



      quarta-feira, 18 de março de 2009

      Memorial e outras coisas


      Memorial é um troço que pedem nas universidades para saber um pouco sobre a trajetória de vida dos que pleitiam uma vaga na pós-graduação. O objetivo me parece que é entender o porquê das escolhas para uma pesquisa e tal... Enfim, se alguém um dia fizer uma biografia de minha vida que pelo menos tenha essa passagem no blog como subsídio: meu memorial.


      Nasci no Rio de Janeiro e a melhor lembrança que tenho dessa cidade vai até aos 8 anos circulando todos os dias na praia próximo aos Arcos. Vindo morar na Paraíba não por opção, mas por obrigação, minha mãe via aqui uma oportunidade para que eu estudasse e tivesse convívio com a família. Essa basicamente formada por mulheres que são mandonas/dominadoras e fingem que os poucos homens é quem mandam...Nesse convívio, aprender a ser uma mulher comportada e disciplinada era fundamental. Assumi uma dupla identidade era uma "boa menina" que seguia todas as regras, mas li e discutia política, economia e batalhava minha independência financeira por meio dos estudos.


      Desde criança queria ser médica, trabalhar na emergência, salvar vidas. Levei bomba no primeiro vestibular e no segundo optei por Psicologia porque me intrigava os mistérios da mente e Engenhari de de Materiais porque era fera em Matemática. Ham? Pressão familiar.


      No primeiro ano de Psicologia me apaixonei e me dediquei ao curso. No meio dele me envolvi com os movimentos estudantis sem deixar as notas caírem. Tarefa árdua. Coeficiente de rendimento escolar ao final do curso foi 9.2.


      Num partido de esquerda marxista-leninista-trotiskista, ou seja, esquerda radical dos sem aliança e pertencente ao rol dos pequenos partidos, me especializei em Psicologia Social e estudei questões rurais, por quê? Começou quando numa atividade em campo de uma das disciplinas sobrou um vaga para área social-rural e queriam colocar uma menina sem consultá-la nessa vaga. Ao perceber a injustiça me alistei na vaga desse grupo e deixei uma outra para que a colega pudesse escolher de modo mais justo.


      E daí foi: mestrado na área de políticas públicas e ruralidades. No doutorado penso em migrar para o campo da interface do trabalho e das políticas públicas ao perceber na dissertação a importância que essa assume para o cumprimento de políticas públicas.


      Enfim, um pouco das minhas escolhas: caminhos difíceis como forma de superação de mim mesma.


      As outras coisas é que aconselhei meu irmão a não fazer de suas escolhas políticas um meio de vida. Ele já chegou no ensino médio e mesmo sabendo que minhas convicções políticas de esquerda tenham prejudicado minha trajetória, não posso evitar que ele tenha suas próprias experiências, como escrevi em algum post atrás. Daí ele participou de sua primeira passeata contra o aumento das passagens, mesmo com as minhas ressalvas com relação a política. Jesus tome conta!

      terça-feira, 17 de março de 2009

      Momento poético "By Night"



      HÁ CERTAS HORAS


      "Há certas horas, em que não precisamos de um Amor...

      Não precisamos da paixão desmedida...

      Não queremos beijo na boca...

      E nem corpos a se encontrar na maciez de uma cama...


      Há certas horas, que só queremos a mão no ombro, o abraço apertado ou mesmo o estar ali, quietinho, ao lado...

      Sem nada dizer...


      Há certas horas, quando sentimos que estamos pra chorar, que desejamos uma presença amiga, a nos ouvir paciente, a brincar com a gente, a nos fazer sorrir...


      Alguém que ria de nossas piadas sem graça...

      Que ache nossas tristezas as maiores do mundo...

      Que nos teça elogios sem fim...

      E que apesar de todas essas mentiras úteis, nos seja de uma sinceridade inquestionável...


      Que nos mande calar a boca ou nos evite um gesto impensado...

      Alguém que nos possa dizer:


      Acho que você está errado, mas estou do seu lado...


      Ou alguém que apenas diga:


      Sou seu amor! E estou Aqui!"


      Willian Shakepeare



      SONETO DA DEVOÇÃO


      "Essa mulher que se arremessa, fria

      E lúbrica aos meus braços, e nos seios

      Me arrebata e me beija e balbucia

      Versos, votos de amor e nomes feios.

      Essa mulher, flor de melancolia

      Que se ri dos meus pálidos receios

      A única entre todas a quem dei

      Os carinhos que nunca a outra daria.

      Essa mulher que a cada amor proclama

      A miséria e a grandeza de quem ama

      E guarda a marca dos meus dentes nela.

      Essa mulher é um mundo! ? uma cadela

      Talvez... ? mas na moldura de uma cama

      Nunca mulher nenhuma foi tão bela!"


      Vinícius de Moraes

      segunda-feira, 16 de março de 2009

      Profissão perigo



      Ainda bem que a caranguejada de ontem na casa de Jad foi MARA...Boa comida, boas companhias e uma descoberta inédita: Hershey's Special Dark sabor Menta. Gente o que era aquilo hem?. Era de comer rezando. O prazer da vida condesando numa barra de chocolate. Senti até o "chille verde caliente". A tarde esquentou. Mais um resgate de fim-de-semana, com trilha sonora de Vanessa da Matta. Ainda bem porque hoje...

      Depois da série da rede Glogo "Repórter: profissão perigo" e outra na cultura, "Professor: profissão perigo"´, acho que eu também posso incluir a minha categoria "Psicológo: profissão perigo". Por quê? Porque fui fazeruma visita a mãe de uma aluna na zona rural e quase o carro não subia com o pedregulho e a buraqueira. Gente! Eu gosto de montanha russa, mas assim "mim num quer brincar não"...Imagine voltar para a cidade andando no sol entre dez/onze damanhã de sandalinha rastá-pé, sem protetor, tênis...O carro subiu de ré, com os pneus cheirando a queimando, eu suando gelado e com três burros no meio da estrada sendo "tangido" e um monte de porteira no meio do caminho..."Jesus acenda à luz, apagar, jamais..."

      domingo, 15 de março de 2009

      Surpresa!

      A caixa do amor

      Já estou ganhando presentes de aniversários antecipado. Olha que a data do meu aniversário é em maio. Motivo? Receitinhas para melhorar meu astral no fim-de-semana. Ganhei uma caixa do amor de minha irmã siamesa que contou a seguinte história...


      "Um artesão decidiu fazer caixas do amor desde que encontrou uma mulher que caprichava em uma caixa. Interpelada porque tamanho zelo, a mesma respondeu que: "Era uma caixa para guardar tudo o que seu amor a desse até ficar bem cheia e bonita ". Ela ainda não tinha um amor, mas um dia o artesão a encontrou casada, feliz e mãe de filhos. A partir de então, o artesão decidiu fazer caixas do amor".


      Pois é. Minha irmã siamesa fez uma caixa do amor " que dentro dela somente poderei guardar lembranças boas e felizes", embora já tenha me entregue quase cheia com coisinhas que adoramos: quinquilharias (chaveiro de peixe para lembrar do lema da Dolly do filme "Procurando Nemo": Continue a nadar, um outro chaveiro de dadinho com símbolos japoneses me desejado virtude, paz, amor, felicidade, sabedoria e paixão), uma foto da última Páscoa onde estávamos ela, meu irmão siamês e ele e um espelho estilo indiano para que eu lembresse sempre que sou "bonita".


      E como moral dessa história lembrei de uma frase que é mais ou menos assim: ao invés de caçar borboletas plante uma jardim...Prepare-se para receber e dar esse amor...
      Adorei irmã pelas boas energias. Ao receber até chorei...


      sábado, 14 de março de 2009

      Tecido Memória


      Esse foi o nome do documentário que assisti essa semana na UFCG (Universidade Federal de Campina Grande) produzido pelo Prof. Dr. Sérgio Leite da UFPE.


      Para o espectador, uma reconstituição da história de Paulista, Pernambuco, a partir da trajetória de vida e das memórias dos ex-trabalhadores da indústria de tecido da cidade de Paulista. Reafirmando que a memória possui não só aspectos subjetivos, mas também faz parte de uma construção histórico-social.
      Um documentário que buscou compreender como os trabalhadores o contexto da revolução industrial e da expansão da produção do algodão no nordeste influenciou esse Estado e a vida das pessoas que vieram fazer suas vidas em torno desse novo projeto não só econômico como principalmente de sociabilidade, presente no cotidiano e, portanto, indissociáveis.


      No documentário podemos observar vários aspectos dessa história, desde a sociabilidade já mencionada até o uso da mão-de-obra infantil, bem como a figura do coronel se impondo num ritmo de expansão econômica típico das fábricas e não das antigas usinas de açúcar, a configuração da afetividade desses trabalhadores a partir da existência desse trabalho indigno, mas que permitia ao mesmo tempo a sobrevivência e trazia elementos tão presentes ainda hoje na nossa cotidianidade, a política do "pão e circo", promovida pelos coronéis, donos das fábricas de algodão.


      A cidade de Paulista em Pernambuco, era a "Serra Pelada" têxtil do algodão, o Paraíso do chafariz de Leite e da Montanha de Cuscuz, uma história influenciada pelo contexto internacional e nacional, inclusive em suas rupturas e desrupturas, no que diz respeito as influencias do movimento socialista e comunista para os movimentos grevistas, que de certa forma criam um movimento e não só o analisaram; o governo populista de Getúlio para os trabalhadores, de quem quem não tem a carteira de trabalho assina era um "condestino", uma mistura de condenado com Clandestino - típica da condensação discursiva apontada por teóricos como Foucault - e o golpe de 64.


      Enfim, o documentário mostra a partir de uma pesquisa encerrada em 83, como todas as dimensões da vida humana (econômica, política, cultural, afetiva e social) podem configurar a vida de indivíduos ao mesmo tempo em que eles também não apenas reproduzem, mas produzem seus próprios destinos, os quais são regulados,a dministrados e/ou organizados em função de um objetivo, como em instituições totais. No caso em particular, a manipulação da vida e dos sonhos de indivíduos em nome do crescimento da indústria têxtil, tentando o tempo todo persuadir não só apenas pelo dinheiro, "qual era o lugar de cada um". Afinal a dominação não apresenta apenas seus efeitos ruins, de algum modo a internalização do controle traz suas recompensas, mesmo quando o indivíduo reavalie a situação e entra em conflito com tal dominação. E isso me lembra o que um colega disse, se não estou enganada sobre o pensador Italo Calvino: há apenas duas maneiras de escapar do inferno, ou confundido-se com ele, ou então, encontrando ou construindo um paraíso dentro dele.

      sexta-feira, 13 de março de 2009

      Inversão de papéis

      Os Amantes, René Magritte [1898-1967]



      Parecia uma manhã comum de domingo, sem muitos desafios. O despertador toca como se já fosse a segunda-feira. O cachorro fora da casa bate no portão sem parar, anunciando que já é hora de acordar. A claridade insiste em entrar pelas frestas da janela, incomodando aos olhos que ainda dormiam.




      O movimento de desligar o despertador, prender o cachorro e fechar ainda mais a janela somente fez com que os olhos despertassem ainda mais, mesmo que a noite tenha sido muito curta. Planos simples para o domingo começavam a se desbotar: ver um filme, ter um almoço improvisado, soltar pipa...quem sabe?




      Mas tudo foi-se por terra. Bastou uma simples negativa a uma dessas propostas desbotadas de domingo que o mundo desabou e avalanche culminou com uma discussão de relação...




      - Você não gosta mais de mim...Eu sempre fico em segundo plano...Você não faz a menor força para estar comigo, para ter tesão por mim...você é muito egoísta. Agora fuja como você sempre faz! Ou então diga que acabou mais uma vez, até que você volte depois de um mês de abandono sem saber o que quer da sua vida...




      - Eu não tenho vontade de mais nada. Eu não desejo mais nada, nem de você, nem de ninguém.




      - Tudo bem. Eu sabia que eu não devia ter tocado nesse assunto, nós, porque as coisas sempre são como você quer, não é?




      - Tudo bem fico aqui, trancada nessa jaula. Dessa vez não fugirei. - ela disse referindo-se ao quarto enquanto ele saia do mesmo furioso.




      Nas últimas palavras dele, a incapacidade de ouvir o grito suprimido de socorro. A raiva dela de si versus a raiva dele por ela e sua incapacidade de continuar a amá-lo. Mas o que é amar? "Amar não é amar o desejo do outro?". E como amar alguém sem desejo? Ou melhor, como amar a falta de desejo? Seria o outro que substituiria essa falta de desejo. O outro que ser ou ter esse lugar da falta. Querer ser o lugar da falta, seria a parte querendo se apropriar do todo? Querer ser o desejo, a falta, seria também um projeto megalómano do outro?




      Enfim, em meio a guerra de sentimentos e vontades opostas, ela abre a gaveta da cabeceira pega a arma dele decidida a acabar com seu próprio sofrimento. Ele entra no quarto e toma-a dela. Ela chora, grita a sua incapacidade, até que ele sai novamente do quarto chamando-a de "covarde egoísta". Ela fecha a porta do quarto para não mais vê-lo. Ele chuta a porta vezes consecutivas até arrombá-la.




      - Bonito isso. Olha o que você me fez fazer - ele.




      O grito de socorro dela era cada vez mais abafado. Ela em meios as lágrimas levantou-se pegou uma cerveja na geladeira e fez um coquetel com todos os remédios da farmacinha do banheiro, entre eles, alguns sedativos.




      Ao vê-la fazer isso, imediatamente ele toma a bebida e tenta arrancar da boca dela o que havia engolido sem muito sucesso. Então, enquanto ela debatia-se contra ele e impedia-o, ela caia no chão entre um canto da parede e a cama. Sem querer ele a queima com o cigarro durante o gladiamento. Ela sente somente a dor da sua alma e de cobranças que não consegue pagar.




      - Vou levá-la para um médico. Você não podia ter feito isso comigo. Por que você não faz isso na casa da sua família? Quer que eu me sinta culpado, não é? Olha como estou. Cheio de marcas suas. Eu podia prestar queixa na polícia você sabia?- ele a acusa.




      Ante a frustração de sua tentativa fracassada de suicídio, não querendo prolongar o assunto e ansiando acabar com maior repercurssão dos fatos, ela mente e diz que não havia muitos remédios.




      O silêncio se abate sobre o quarto. E ele num misto de raiva e paixão doentia junto a ela - exausta dela mesma, dela, da vida, de tudo - de repente se arrisca:




      - Eu amo muito você e quero vê-la bem, mas você já percebeu que para você ficar bem precisa estar longe de mim.




      Charada solucionada, na cama ela vira-se sem quebrar o silêncio e adormesse ante o cansaço da discussão, algum efeito dos sedativos e pensando na próxima briga, momento em que ele iria jogar na cara dela as marcas deixadas no corpo dele ao descompensar e quando tentou se matar. Momento em que novamente a dor dela, curtida em silêncio, seria menor do que o desejo dele de tê-la de qualquer modo e somente para ele.






      quinta-feira, 12 de março de 2009

      No improviso é mais gostoso

      Da fonte direta dos fatos improvisados



      Eu acho que todo mundo deveria ter o direito de ganhar um jantar a luz de velas no meio da semana e sem ao menos esperar. Depois de um começo semanal difícil, um jantarzinho a luz de velas com vinho branco é ótimo. Se não coroa o resto da semana positivamente, pelo menos alivia a pressão. E olha que foi tudo no improviso. E como minha irmã siamesa disse:


      - Eu estava lendo A Arte da Felicidade de Dalai Lama e achai interessante quando ele disse que a idéia ocidental de intimidade, é de casal, homem e mulher. Então decidi fazer um jantar a luz de velas para nós porque quer mais intimidade do que a amizade?


      Achei a idéia arretada e acatei...E a medida que as meninas ligavam eram convidadadas para o clube da Luluzinha, comer um pouco de macarrão e beber um pouco de vinho. Começamos com duas e chegamos a quatro Lulu's...mas voltamos para nossas casas antes que a carruagem virasse abóbora e muito antes das 12 badaladas todas estavam nos seus bercinhos. "Amanhã outro dia..." Por ontem valeu mais um momento intimo.










      quarta-feira, 11 de março de 2009

      E uma energia puxa a outra


      Que legal, resposta do post do dia mulher por e-mail...


      "Meninaaa, que SURPRESA BOA!!!

      Embora não as conheça, me ver entre mulheres poderosas, como Jady, Manu, Mamis, a ‘filha da mamis’ ;-), Roseli, Patrícia Daltro e Xênia é uma HONRA.

      O meu sentimento nesse momento é o de que não temos nem noção da representação que as pessoas têm a respeito de nós. E nos momentos certos, quando estamos abertas a enxergá-los, eis que surge alguns avisos providenciais com um TÁ VENDO VOCÊ TAMBÉM ESTÁ ACERTANDO!!

      O que mais me chamou atenção na sua descrição foi a sua aguçada intuição, pois entre as tantas coisas que me atraem na natureza, o mar (a água) exerce o maior fascínio pela sua imensidão, o que representa a possibilidade de 'se jogar' e exercitar ser livre, leve, sobretudo, das amarras que nos prendem a terra firme e que nos impedem de voar e enxergar os fachos de LUZ que sinalizam as trilhas necessárias à evolução.

      Obrigado Thaísa, em nossa convivência esporádica é fácil entender porque há sintonia e aprendizado mútuo.

      Abraços e sorrisos

      VV"

      terça-feira, 10 de março de 2009

      Mais um blá-blá

      Qualquer semelhançca com a vida real é mera coincidência

      Olha que mensagem legal que recebi por causa do dia das mulheres:

      Estavam reunidas, a Sininho, a Fiona e a Angelina Jolie , na Disney,jogando conversa fora...Aí a Sininho disse:
      - 'Eu sou a menor fadinha do mundo!!!'

      A Fiona revidou:
      - 'Sou a ogra mais feia do planeta!!!
      'E a Angelina Jolie finalizou:

      - 'Sou a mulher mais linda, inteligente emaravilhosa do mundo!!!'Mas elas queriam que isso fosse comprovado...

      Pegaram o GuinessBook... A Sininho abriu na pagina 873...e realmente estava lá:
      - Sininho, A Menor Fada Do Mundo....todos ficaram impressionados.........

      A Fiona pegou o livro, abriu na página 585 e estava lá escrito:
      - Fiona, A ogra mais feia do mundo . 'OOOOOHHHHH' todos.
      Por último, a Angelina Jolie pegou o livro, abriu na página 97... depois dealguns minutos de silêncio e uma cara de fúria, (PRATICAMENTE NUM ATAQUE DE NERVOS), ela gritou:-Quem é thaisa??? ... rsssss

      ESTOU COM EGO LÁ EMCIMA AH, SE "CESSE"...

      E mais um blá-blá, támbém não poderia deixar de comentar que preciso admintar para o mundo que existem três casais românticos que nunca consigo esquecer e que torço pra caramba para que dessem certo. Sabe aquele misto de paixão arrebatadora e amor inesquecível? Nossa rola uma identificação total. Não é só por causa dos gatos não hem? É a química do casal, mesmo...aff! Fico louca-louca quando vejo e revejo:

      *Taís e Beija-Flor em "O dono do Mundo"[Meu Deus! Como aquela trilha sonora com Cazuza marcou a minha vida...["E só eu que podia, dentro de tua orelha fria dizer segredos de liquidificador..."]



      *Luciana e Diogo de "Mulheres Apaixonadas" [Menino o que é aquilo hem? Que coisa mais arrebatadora e ao mesmo tempo profunda];



      *Raj e Duda de "Caminho das Ìndias" [Olha que esse casal está dominando as cenas românticas, ai, ai...e eu aqui do outro lado suspirado com aquelas carinhas de cachorrinhos abandonados do casal]

      domingo, 8 de março de 2009

      Mulheres: antiheroínas talvez, especiais sempre



      Como não lembrar de 08 de março? Uma homenagem as mulheres que lutam e lutaram pela reconhecimento do poder feminino em plena revolução industrial.

      No nosso microcosmo ou na poeira cosmica da qual faço parte, gostaria de prestar uma homenagem as tantas mulheres que passaram ou fazem parte da minha vida. Claro, que não poderia ser hipócrita e mostrar apenas uma postagem altruísta em que eu homenageio as mulheres, renegando todas as minhas afirmações de que "eu não queria nascer mulher para me foder...", " se eu não fosse mulher não passarai por isso, enfim...". Convenhamos que existem muitas pedras no caminho que deixa nossa história de luta bem menos romântica do que realmente é: "Case-se!"; "Tenha filhos!"; "Seja obediente!";"Mostre que é independente e bem resolvida, mas coloque a família em primeiro lugar"; "Seja sexy e machine!". "E claro, não esqueça da receitinha da vovó: cozinhe muito bem para agradar seu companheiro como merece. Afinal é pelo estômago que se agarra o marido". Entre tantas outras coisas que eu esqueço...

      Sendo então bem antiheroína, posso pelo menos dizer que tenho prazer de aprender com algumas mulheres. E nesse Mix maravilhoso agradecer por ter passado por minha vida...

      Ana: pela capacidade de acolher com carinho até mesmo um estranho;

      Betânia (Boop); que mais parece uma figurinha de desenho animado com seus jeitos e trejeitos;

      Emanuela (Manu): Pela vontade de viver;

      J.Glaucia: por acreditar em mim, quando ninguém mais parece acreditar;

      Iara Rabay: Pela beleza de saber ser mulher mesmo ante as adversidades;

      Jad: pela perfeição, beleza e maestría com que faz as coisas e o dia acontece como se fosse fácil e melhor;

      Ju e Jane: Duplinha Dinâmica inseparável, porque sempre confiam que a vida pode ser uma bombação e que "agora só falta você" (Maria Rita);

      Kércia (kel): Pelo carinho de se fazer presente mesmo entre " tapas e beijos" e trazer um doce para vida quando ela parece tão amarga;

      Katiúscia(Kati): pela capacidade de ser carinhosamente uma Lady com todos;

      LARISSA (um erro fatal nessa psotagem fez meu irmão apagar essa pessoa da minha vida, perdão, mas o erro foi tecnológico e jamais você estaria de fora): por me fazer acreditar que eu era engraçada, boa gente, animando meus dias com suas risadas e opiniões sinceras;

      Fátima (Mami): porque acredita fielmente que há momentos na vida que as coisas somente se resolvem se você for Amy Winehouse e colocar para quebrar;

      Patrícia Daltro: pelo brilhatismo de tornar os mosaicos de suas histórias em vidas paupáveis;

      Rosely Corteli: por ser uma Rosa com vigor, energia, alegria e esperançosa, espalhando isso para todos que estão em volta;

      Sofia (Sof): Pelos risos sem fim...;

      Thaisa: Estou na lista porque também sou mulher, mas deixem que os outros me pintem...;

      Vitória Regina (Vivi): por ser os quatros elementos e a brisa suave do mar que nos dá a sensação de liberdade;

      Xênia Hiluey: por manter a calma quando tudo parece desespero.

      E mesmo de tendências feminsitas como eu, tenho que reconhecer a oportunidade de ser amada como sou relamente pelos dois homens da minha vida, pelo menos por enquanto porque o número pode aumentar....Amada sem cobranças e incondicionalmente por Moisés e o Mano Íthalo. E que todas as mulheres tenham a oportunidade de serem assim amadas.
      Feliz dia da mulher!

      Ausência presente


      Ela já não conseguia dormir. A imagem daquela outra mulher era muito presencial, principalmente depois de ter vasculhado a vida virtual dela: rede de amigos, blog...Aqui e acolá informações com ele que tentava ser suscito, porém, deslizava algumas vezes ao falar que isso ou aquilo lembrava a dita cuja.


      Aquela lembrança tornou-se uma verdadeira obsessão. Parecia encatadora demais, inteligente demais, bonita demais. E o pior, parecia ter deixado marcas inegáveis na vida dele. E ela? Será que ela consegueria também deixar também suas marcas? Melhor, será que ela conseguiria superar as marcas daquela última lembrança, daqulea mulher, e ser a única na vida dele? E ela no rastro das lembrança permaneceria sempre a sombra.


      -Ah! Olha aqui a sua queridinha. Ela está nessa foto em uma festa rindo e se divertindo. Olha aqui o atual dela - Ela apontava para as imagens na internet, insistindo em martelar sobre o passado daquela mulher ausente, mais tão presente na vida dos dois.


      - Você já percebeu que você fala mais nela do que eu? - ele


      E mais e mais aquela obsessão tomava conta da cabeça dela, com e sem motivos para isso. Ela deixava vestígios dela por todo o apartamento dele, como se para marcar território. Plantava calcinhas na gaveta de cuecas. Xampu feminino no banheiro, uma escova rosa na armariozinho... Entretanto, ela não sabia que a "emenda saia pior do que o soneto". O ataque a um fatasmo somente desgatava a relação que ainda estava na incubadora e a fazia perder tempo em tentar construir o seu próprio lugar na vida dele.


      Um dia, num dos ataques de fúria, ligou para a dita mulher fantasmagórica:

      - Pare de ligar para ele. Tenha vergonha na sua cara porque ele é meu homem.


      No outro lado da linha, nada ouviu. O fantasma sabia que a dúvida e o silêncio eram mais cruéis e que os delírios a levaria a sua própria derrocada. Sem contar que a mulher fantasmagórica sabia qual era o "canto da sereia" para aquele homem; que o pacto de lealdade entre aquela lembrança e ele era particularmente especial em termos de respeito mútuo.


      No extremo de sua loucura, ela procurava fios de cabelo na roupa dele, novos perfumes no ar, resquícios no carro...

      Um dia, decidida, inesperadamente apareceu no apartamento dele. Com sua presença imposta e possuida pelo ódio, naquele momento o telefone toca e no meio de um diálogo, ela toma o telefone e desferi o golpe mortal no que poderia ter sido a sua história e não a história de uma lembrança.



      - Eu sei que é você? Diga que é você. - ela.


      - Am? - A pessoa do outro lado respondeu.


      - Não é ela. É uma colega de trabalho. E não se preocupe que se fosse ela, a mesma teria muita hombridade em dizer o nome. Pare com isso!


      Ele saturou-se ainda mais. Ela, de cara no chão, sentiu-se ridícula. A inveja, a rivalidade e o sentimento de mediocridade diante daquela lembrança parecia tão especial ficou ainda mais pulsante. Por fim, foi a erva daninha que não deixou-a fazer suas próprias marcas inegáveis na vida dele...Infelizmente esse incidente não serviu para que ela aprendesse nada. Para que entende-se que muitas vezes não arrombamos portas, devemos der convidados a entrar na vida do outro. Suas artimanhas apenas alimentaram um ódio desmedido pela lembrança de uma mulher do passado que a consumia e a mais ninguém.

      sábado, 7 de março de 2009

      Sexy eu?


      Adorei a matéria abaixo e acho que numa média aritimética descobri que sou sexy: Urru! De 20 itens do que faz uma mulher sexy, me identifico com pelo menos 11, ou esja, um pouco mais 50%. Ou seja, ainda há salvação para mim ê, ê, ê...


      Que revelação. Ual! O item 1 é o meu clássico), depois o 4, o 5, (Oh! Essa é o meu chaveco. Meu forte),o 6, o 7, (o 8 deve ser ótimo, mas não passei por essa experiência), o 9, o 10, o 12 (vale argolão?), (o 13 é lindinho), o 15, o 18, o 19 e o 20 é café com leite, tá? Faça ai sua média e descubra se você também é uma mulher sexy. E por favor se alguém chegar na marca dos 70, 80 ou 90% me digam para que eu possa tomar aulas (rsss!)



      "Perguntamos a eles: o que nós mulheres fazemos, falamos ou vestimos que vocês acham terrivelmente sexy? Olha só o que eles disseram... Detalhe: a matéria era pra ter apenas 10 itens, mas, como ser sexy é bom e eles gostam, aí vão vinte!

      1. Calcinha branca de algodão + camisetinha regata: "Tipo acabei de acordar, sabe? Lindo!", Bernardo, 30.

      2. Esqueci o sutiã: "Para com isso que eu fico mal! Adoro peito mais pra pequeno debaixo de um vestido ou camiseta de alcinha sem sutiã...", Wagner, 29.

      3. Cabelo preso + nuca + uns fios caindo: "Dá vontade de chegar e lamber o pescoço inteiro", Rafael, 27.

      4. Estilo Marylin: "Saia que levanta com o vento. Neste caso, sou até mais conservador: se levantar tudo passa do ponto... Maneiro é quando levanta até as coxas, a mulher fica meio constrangida mas ri", Marcelo, 34.

      5. Segurança: "Gosto de mulher segura, meio marrentinha até. não costumo ter medo disso, não - embora seja comum a minha raça", João, 30.

      6. Cheiro de quem acabou de sair do banho: "Hummmmmmmmmm. Bom demais", Arthur, 28.
      7. Inteligência: "Mulher inteligente é sexy: discutir com mulher inteligente é bom demais... Fica aquela rinha mental, você vai criando respeito e tesão ao mesmo tempo, até que ela te dá uma resposta que cala a sua boca, e antes dela falar mais alguma coisa, e te humilhar, você beija", Fernando, 32.

      8. Rímel preto borrado: "Quando depois da transa, ela está toda descabelada e com o rímel preto borrado, dá vontade de começar tudo de novo" , Paulo, 31.

      9. Preto: "Adoro preto. Preto é sexy e ponto. Mas isso é default, não?", Davi, 27.

      10. Biquíni branco: "Impossível não olhar", Fred, 24.

      11. Duplo sentido: "Uma vez estava conversando com uma mulher no MSN. Lá pelas tantas ela disse: ‘vamos pra cama?'. Achei muito sexy. Pena que ela foi pra dela e eu pra minha", Rodrigo, 35.

      12. Brincão: "Quanto maior o tamanho do brinco, mais safada é a mulher", Leonardo, 37.

      13. Pintinhas: "Não tem uma explicação racional. Dá vontade de contar uma por uma", Carlos, 29.

      14. Beber: "Tem mulher que bebe gostoso, segura a taça de uma maneira sensual e depois fica soltinha, soltinha", Pedro, 25.

      15. Óculos: "Adoro mulher de óculos de grau, ainda mais se for de armação preta. Parece uma secretária executiva. Na hora da transa, não pode tirar!", Henrique, 30.

      16. Voz rouca: "A verdade é que a maior parte das mulheres desafina quando fala. Uma mulher com voz sexy é o bicho! Quando fica rouca depois de um show, adoro!", Solano, 33.

      17. Pé bonito: "Pequeno, macio, vestindo uma sandália de tirinha. Ofereço logo uma massagem!", André, 27.

      18. Olho no olho: "A maior parte dos terráqueos fala olhando pro nada, pra parede ou pro chão. Quando conheço uma mulher que conversa olhando dentro do meu olho, ela automaticamente está um passo a frente das outras. Sexy!", Renato, 36.

      19. Dançar: "Mulher dançando, me tira do sério... Se dança mal acho fofo, se dançabem acho mais lindo ainda", Antonio, 25.

      20. Nascer: "Toda mulher é muito sexy. Para isso, basta nascer", Iran, 26.

      Rosana F."

      sexta-feira, 6 de março de 2009

      E o astral como está?


      Olha aí meu mapa astral presente desse site. Rolou uma identificação...

      Ascendente: Câncer
      Lua: Sagitário
      Elemento: Ar Polaridade: Positivo
      Qualidade: Mutável -->
      Período do Trânsito:
      Início: 04/03/2009 Fim: 07/03/2009
      Título:
      Marte em Quadratura com Urano natal

      Resumo:
      A necessidade por uma vida diferente da que está levando até o momento certamente é o foco de sua atenção neste momento. Haverá a necessidade de romper velhos hábitos, de soltar as possíveis amarras que o estão impedindo de exercer livremente a sua maneira de ser. Os problemas de sempre precisarão de uma nova abordagem para a sua resolução. Você quer tudo novo, desde uma vida nova até um "eu" novo. Nada da mesmice de sempre, de saber o que vai acontecer, da mesma disposição dos móveis, enfim, você estará desafiando os seus conhecimentos para buscar uma situação de diversidade. Tudo o que estiver ligado ao antigo será objeto da sua raiva. E, se por qualquer motivo, você não conseguir provocar todas essas mudanças? Bem, então a sua reação será a mesma de sempre neste caso: ataques, impaciência...

      quinta-feira, 5 de março de 2009

      Hem? Isso foi uma cantada?


      Lá vinha eu do trabalho, conversando com uma colega no ônibus quando um cara todo estiloso e de pasta na mão, dirigiu-se ao motorista. Ficaram trocando algumas palavras...De repente quando minha colega desce do ônibus ele vira-se para mim e entrega-me um papel. Pensei: "É mais um panfleto". Mas não. Era um texto, "Caminhos da Esperança".


      Pelo título imaginei que era um texto evangélico ou algo do tipo. Quando comecei a ler me surpreendi porque não era um texto evangélico. Ao relê-lo descartei essa hipótese: nenhuma menção a Deus.


      As palavras eram bonitas. Propicias para momentos de oscilações de humor e resistência. Entretanto, eram palavras muito simples...faltava algo que realmente emociona-se quem as lesse, era um texto um tanto mecânico, auto-ajuda, recorte-cole de coisas que outros já disseram de outro modo...sei lá! Mas como uma amiga minha diz que meu nível de exigência é alto demais, quem sabe. E o que me fez pensar porque era uma cantada? Porque o texto estava assinado, datado de março de 2009, com nome, e-mail e telefone. Tipo um cartão de apresentação. Plagiando minha amiga Jad: "O que é isso? Como assim Bial?" Ou então, ele pensou que estava precisando de ajuda emocional.


      Ao sair ele ainda olhou para mim e acenou a cabeça em sinal afirmativo. Ham? E aí? Vocês decidem...Abaixo o texto.


      "Não espere o momento bom para sorrir, não espere tempos bons para sonhar, não corra com medo do problema, pois o medo distancia a vitória. Antes de acreditar na perda, veja ou estude uma possibilidade para vencer. Não aceite a perda como um fracasso, pois nem sempre perder é o fim, uma formiga só sobrevive, porque apesar de pequena tem otimismo e vontade de viver. Usando assim o desejo de sobrevvier em meios, como florestas ou matas, que apesar de pequena pode mostrar para os grandes a sua garra de sobrevivência . O pássaro que canta, não tem compositor e podemos escutar na letra do seu cantar a melodia perfeita da obra da Natureza. E isso faz dele um produtor que produz o prazer do canto que canta. Não espere do jardim uma flor que mais deseja, o maior jarro de flores foi entregue ao herói que dava a luta por perdida, por isso para alguém obter algo merecido é preciso usar o espírito de luta e não franquejar no meio do caminho. Espere no temo a flor desejada, e construa com dia a razão pra espera. Você pode ser melhor.

      Histórias de um Poeta".



      Tudo bem. Entendi. Realmente não se faz homens como antigamente. Ou antigamente está sendo muito antigo, ou novo é muito frágil, superficial... Mas valeu a iniciativa. O mundo precisa quem se estudem possibilidades...

      quarta-feira, 4 de março de 2009

      Entre maridos e amantes


      Nunca casei de fato e de direito, mas sempre tive relacionamentos muito longos, quase casamentos. E não sendo hipócrita, também vieram os “amantes”. É a partir dessa analogia que hoje me bateu uma coisa: Seria a Psicologia meu marido e a Sociologia meu amante? E o porquê da comparação?


      Primeiro porque é com a psicologia que tenho a sensação de certa estabilidade, de terreno conhecido. É com ela que travo minhas brigas (dentro de mim e com o mundo). Como também vem a monotonia da relação, o sentimento de incompletude, a insatisfação e algumas vezes até impotência. Claro que no início, como todo casamento apaixonado, tudo é mil maravilhas. Somente depois de algum tempo é que vem os testes de resistência e óbvio, também o pender da balança das mil qualidades para os milhões de defeitos.


      Mas foi a maturidade desse casamento que me trouxe o desejo pelo amante: a Sociologia. O que se transformou numa verdadeira batalha para estarmos mais junto, em doar mais tempo a ele do que ao “marido” e até a responsabilidade de estar com ele, o novo ou “verdadeiro” sonho de minha vida. Com o amante tudo passa mais depressa, tudo é maravilhoso, desafiante e instigante. Mas não seriam assim todos os amantes, enquanto o marido é a rotina, o chato?


      Enfim, a única coisa que me passa a cabeça é que um dia eu vou ter que sair dessa vida dupla, ou ser mais de um do que de outro...mas e seu o amante tornar-se como o marido? A eterna insatisfação humana ou a necessidade/medo de alçar e consolidar o resultado de novos vôos. Sei lá...Quem sabe o tempo me traga uma resposta.

      segunda-feira, 2 de março de 2009

      Minha identificação com Clarice Lispector


      Fã de Clarice Lispector, abaixo estão transcritas trechos das onze primeiras folhas que li do seu livro "Água Viva". De acordo com uma colega, uma obra literária que sincroniza suas obras de literatura e sua pintura.


      Nos trechos em destaque senti a tão discutida necessidade humana de traçarmos o mundo a partir de caminhos teleológicos (início - fim - objetivos), quando a vida apenas acontece no tempo, no instante, em que nós juntos com os outros, lutamos com "desenvoltura" pelos intantes de alegria que residem nos átomos do tempo...


      "O próximo instante é feito por mim? Ou se faz sozinho? Fazemo-lo junto com a respiração. E com uma desenvoltura de um toureiro na arena". Cada casa é um instante em que ela é. Quero possuir os átomos do tempo(...)" (LISPECTOR, 1998: 9);


      "Hoje acabei a tela de que te falei: linhas redondas que se interpenetram em traços finos e negros, e tu, que tens? Habito de querer saber por que - e porquê me interessa, a causa é matéria do passado - perguntarás porque os traços negros e finos? É por causa do mesmo segredo. (...) me faz escrever agora como se fosse a ti (LISPECTOR, 1998: 10-11);


      "(...) alegria, alegria é matéria de tempo e é por execelência do instante. (...) E no instante está o é dele mesmo (LISPECTOR, 1998: 11);


      LISPECTOR, Clarice. Água Viva: ficção. Rio d eJaneiro: Rocco, 1998