quarta-feira, 22 de abril de 2009

Se

Quantas vezes você já deparou-se com o "se": se eu fizer isso", seu eu fizer aquilo, "seu tivesse feito"...Sempre adotei o lema que é melhor se arrepender por algo que fez do que por algo que não fez, para no final das contas não fique aquela sensação do mas, "se". Ao final da noite me peguei pensando: se ele tivesse dito a verdade? Se ela tivesse feito outra escolha? Se ele tivesse dado a mão, o abraço? Se ela tivesse encarado? Se ele tivesse ido além do fio condutor dos romances contados e se permitisse estar mais próximo, romper a barreira, teria sido diferente? A narração que embalou os romances também foi o alimento da saudade e berço final para tudo...Para quem não planeja existe o "se"? Ou apenas o instinto de fazer...

Foram as perguntas que o filme "O Leitor" me suscitaram à noite. Além de perceber que nem tudo que parece é e que por trás do que parece unânime, existe motivos únicos e particulares...Vale a pena ver o suspiro que se expressa na barrriga, mas vem do fundo da alma. O que impediu de ir além? Maturidade?


Comentando:
Jad: arrassada é gíria, mas você foi sabia no que disse e concordo plenamente...relax baby!


Um comentário:

  1. Apesa de também ter adotado esse lema, a gente se vê cercada por "ses", porque sempre que a gente faz uma escolha, outra é preterida. Logo, "se"... As possibilidades sempre vão existir e é quase inevitável pensar nelas ;-)

    Eu quero ir pra casaaaaaaa

    ResponderExcluir

Queres aclarar, observar, deduzir, narrar despretenciosamene? Bem-vindo! Caso queiras apenas maliciosamente criticar, por acaso não é seu espaço, nem virtual...