terça-feira, 5 de maio de 2009

Tudo ia bem até o 19




Viajem marcada nesse último feriadão.
Destino: Natal.
Expectativa: descansar já que sabíamos que por lá o clima era de chuva. Além de fazer companhia. E isso no bom sentido mesmo, sem malícia.
Roteiro: nenhum, apenas a casa da irmã siamesa.
Companheiros de bordo: Loira de parar o trânsito, Ligeirinho e eu mesma.
Previsão astrológica e real: momento conturbado. Viagem em véspera de semana de trabalho conturbado. O dia do desembarque mesmo então, nem conto, ou conto? Trabalhar o dia todo; mala para arrumar e carregar; sacar dinheiro no caixa eletrônico; enfretar filas quilometricas; desconto no salário; comprar passagem de última hora (sou brasileira uai!); falta de passagem; atraso de companheiros de bordo. Enfim, sinais não muito auspicíos, mas o motivo era nobre. Portanto, era literalmente pagar para ver depois de horas de viagem.

Chegamos cansados, mas bem... embaixo de um pé d'água. O roteiro da quinta à noite foi então: tomar bainho, comer, conversar e dormir. Portanto TUDO IA BEM...

Lá vai alguns tópicos mais interesantes da conversa:

- Olha isso aqui!"Não há nada novo neste mundo, mas há sempre exclusividade" - escrito num aparador ou banco da ASIAS TIDS ZELEIRO/Benedixt na revista "Casa e Decoração" de abril de 2009 por apenas R$ 7.940. A REVISTA eleita por mim e minha irmã como essencial a higiene mental.

- Então! Uma mesa que "se acha" - Ligeirinho
- Uma messa com auto-estima - eu

Mais a frente: A Barbie sem Máscara: " A Artista Plástica Patrícia Kaufman que já tinha feito a capa da Playboy com a Barbie, agora fez com que a crise chagasse até ela: de Patricinha a carroceira". Imaginem aí a Barbie carroceira kkkk. Pelo menos isso veio a consolar-me depois que vi a modelo "Não sei o que Ambrósio" dizer num entrevsita a "Caras" no desfile em homenagem aos 40 anos da Barbie que era uma honra desfilar na passarela como Barbie e que tinha uma coleção de mais de 70, as quais passaria como herança a sua filha de meses quando estivesse crescidinha, claro! (Imagine aí! Se a filha virar terrorista e arrancar a cabeça das bonecas em protesto pela amplitude da futilidade? A mulher iria morrer do coração, ou então, de rugas).


"- Sabe o que ouvi da campanha de adoção de animais em Campina? Que nem o Diabo queria aqueles bichinhos... - eu
- Ai, coitados! Tem gente que é zarolha e o povo num beija na boca? E por que não adotar um cachorro vira-lata? A minha gata peguei na rua e ela estava cheia de perebinhas. Eu amava ela...- Nossa Senhora dos Animais Perdidos.
- Amiga é por isso que você gosta de mim, porque eu tenho perebinhas como sua gata?"

As cantadas eleitas por nós como as mais desgraçadas e espanta mulher:
1. A clássica cocerinha na mão. Aff!;

2. "Vamos para um lugarzinho mais íntimo para ficarmos mais à vontade... [Essa é véa viu! E brochante, o cabra num sabe criar um clima não é?Aff];

3. "- Você é mãe?
- Não. Por quê?
- Porque seus peitos são grandes.
- A meu filho me poupe.
- Agora você não sabe o que está perdendo" [Essa daí além de cagar ainda jogou a bosta para cima, nam];

4. O paquerinha pergunta depois de um bate-papo:
- O que é peculiar? E monossilábico?

Na sexta, uma tarde pelos cafés do shopping e casas de artesanato porque era dia do trabalhador... Afinal todo mundo tem pelo menos uma vez no ano um dia de "rei" né? A previsão meteriológica, que ultimamente chamo de previsão macumbológica já que o clima é de sol-chuva alternantes, era de chuva à noite com direito a bate-papo falando sobre assaltos na terrinha portiguar e cama quentinha depois de ver "Caminho das Índias"

Roteiro planejado para o sábado:
conhecer o centro de Natal; ver a C& A do local em busca de óculos para mulheres de presidente com preços populares (os retangulares e degradês); comprar pasagens na rodoviária; ir nas livrairas para comprar livros e tomar café ( A farra né?), ver O Morro do Carreca em Ponta Negra no fim de tarde e tirar fotos; Encerrar o dia vendo o show de uma banda que não fosse forró (afinal desentoxicação auditiva e visual é preciso né?)...No entanto, nossos planos foram alterados...

Por isso que "TUDO IA BEM ATÉ O 19...".

ESSA É A PARTE EM QUE O 19 ENTRA... 19 ERA O NÚMERO DO ÔNIBUS QUE PEGAMOS PARA RODOVIÁRIA NO COMEÇO DA TARDE SÁBADO, ou melhor, O EXPRESSO PARA O INFERNO DA RODOVIÁRIA... POR QUÊ? Porque fomos assaltados no ônibus.

A ação foi muito rápida. Ele abordou a bolsa da irmã mandando passar o celular, sacudiu Ligeirinho pedindo celular e tentando tirar o relógio, enquanto a Loira escondia a bolsa embaixo do banco e eu a minha embaixo das pernas. Daí fui fazer as coisas meio que no automático. Ele olhou para a Loira e disse:
- Não esconda não bonitinha! - ordenou o ladrão, que depois da ação rápida fiquei sabendo pelos demais passageiros que eram dois, um com o revolver na cabeça do motorista e o outro meio que escondido embaixo da camisa. E quem disse que a gente tinha perna para sair do lugar? Enfim, o drama não parou aí, ao chegarmos na rodoviária, paramos num posto policial que nos informou que não havia delegacias abertas aos fins de semana nem feriado na terrinha potiguar. Como disse minha irmã: Bem vindos a Natal". Tivemos que contar com a ajuda de "Sapatos Vermelhos" que foi nos resgatar na rodoviária de Natal e procurar a única delegacia de plantão na cidade na zona sul da cidade. Diga aí? Fizemos um turismo completo, menos tirar a foto próximo ao Morro do Careca porque choveu o domingo inteiro e tínhamos hora para partir.

Lá fomos gentilmente tratados por um dos escrivões, para não dizer o contrário. Descobrimos que a internet inclusive faz milagres. Como? Já ouviu falar em Boletim de Ocorrência Online. Pois é! É para isso que pagamos nossos impostos: para não termos delegacias funcionando, ser mal atendido ou então resolver tudo online. Ah, sim! Em todo caso você precisa de um computador e na" pior" das hipóteses ter um carro e só andar no shoping porque lá, supostamente, você tem segurança. O sistema capitalista avassalador e estuprante te proporciona esse "sonho".

Como já dizia a música de Legião Urbana: "Que país é esse? É a porra do Brasil!". Ou então:
"(...) as grades do condomínio
são para trazer proteção
mas também trazem a dúvida
se não é você que está nessa prisão (...)
(o Rappa - Minha Alma)"


Nos prometemos que não iriamos estragar o resto do nosso sábado por causa de um filha da puta e a puta que é o sistema econômico que vivemos. Tentamos aproveitar o resto do dia. Tentamos pensar nos pontos positivos: estavamos juntos, bem, com os nossos documento e que tinhasmo para quem lgiar e pedir ajuda. Brincando disse que se eu estivesse em Campina, teria que resolver tudo só mesmo porque minha mãe teria um troço se ligasse, minha avó Hitler me chamaria de relaxada e meu irmão siames nãoa tenderia o telefone, enfim...

Voltamos a farra dos shoppinga, claro. Lá embramos que conhecemos a Maternidade Potiguar onde minha irmã nasceu. Sim, porque eu nasci na PROMATER no Rio de Janeiro , ponto de prostituição, e minha irmã na Maternidade Januário Cicco, militar homenageado após o período da Segunda Guerra Mundial já que tal maternidade tinha sido um ex-forte e lá tal personagem havia feitos alguns partos de mulheres grávidas. Por isso que reza a lenda que até hoje ele ajuda algumas mulheres a parir. Pense aí: O Doutor Fritz do Parto! Com todo respeito a diversidade religiosa...

Relembramos o Colégio Católico que minha irmã fez um teste quando criança. A novidade: Ela estava com as mãos cheias de pus porque tinha problemas sérios de pele e a mãe, rezando a cartilha do sistema competitivo, a obrigou a fazer a prova que ao final estava suja de pus. "Minha filha o que é isso? Por que você veio fazer a prova desse jeito- professora avaliadora que talvez não tenha se dado conta que criança não tem vontade...". Para quem não sabe, submeter uma criança a humilhação também é um ato de violência.

E resumindo me acabei nos livros. Gente furar o bolso comprando livros para mim é apoteótico. Fiz uma declaração de amor fraternal em plena livraria para minhas amigas. Já que os homens não cumprem seu papel, eu cumpro. Encontrei o Kama Sutra do trabalho e pensei: técnicas de como chupar/babar seu chefe. O povo não tem mais o que inventar não.

Falamos de um bloco em Olinda chamado a porta onde as mulheres são pagas previamente para deitar numa porta carregada por homens enquanto tira a roupa. Uma tinha até piercing no triângulo das bermudas. Pense!Meninos eu não vi, mas a Loira de parar o trânsito viu.

Discutimos que todo mundo tem seu momento "melancia na cabeça". Ou seja, um dia em que você acorda querendo aparecer ou para mais ou para menos...E que isso deve ser respeitado, no meu caso em aprticualr meu lado menino de vestir, relapso ou então, estravangante de me maquiar com batom vermelho e olho escuro. Adoro maquiagens trashs! Pelo menos de vez em quando (hehehe);

Que a mãe da minha irmã siamesa viu a carteirinha dela de associada ao clube da cachaça Sapupara e pensava que isso era uma seita religiosa. Como assim Bial? Também com tanto globo repórter falando de religiões e seitas, deve ter confundido a Sapupara com a Jurema, ou então, com o chá usado no Daime...quem sabe? Mas que foi engraçado foi.

A Loira rememorou quando foi assaltada com as amigas dentro do carro, roubando os abadares dela e das amigas na Micarande. Deixando-as semi nuas...

No sábado, na tentativa de resgatar nosso dia, ainda fomos prestigiar a banda de country-rocky que somente era country chamada Kenteuk num lugar chamado Budda que misturava estilos indianos, japoneses, nordestino...um verdadeiro ruído visual, sem falar num povo besta. Aff! To virando heremita sem contar inolerante a frustrações...

E findando o final mesmo, sendo redudante, termino essa postagem relatando que depois do colchão de espuma, de chão mesmo, de esteira, do colchão de mola, do colchão de água, dormi num colchão de ar que no final do domingo já estava quase vazio. Parecia uma cama elástica, me senti na aula de ginástica localizada. Ah! não poderia esquecer de uma inteligentíssima frase do filme brasileiro "Se Eu Fosse Você"para arrematar:

"Quem disse que a felicidade não se compra é porque não sabe o endereço da loja..."

2 comentários:

  1. Amoooooooo o jeito que vc escreve, parece que a gente vive tudo de novo com vc! hehehehe Só fiquei triste em saber que vcs foram assaltados.. :( Que pena!!! Mas graças a Deus que ninguém se machucou!Ah, obrigada pela visita ao meu blog! Tbm gostei do novo visual do seu :) Saudades imensas... Beijão!

    ResponderExcluir
  2. Conversas que nunca acabavam, boas risadas, choros, abraços, carões, declarações de amor, muitas emoções, companhias maravilhosas...enfim, uma viagem inesquecível! Precisamos fazer isso mais vezes!rsrs...
    Beijão!!!

    ResponderExcluir

Queres aclarar, observar, deduzir, narrar despretenciosamene? Bem-vindo! Caso queiras apenas maliciosamente criticar, por acaso não é seu espaço, nem virtual...