sábado, 16 de maio de 2009

Você quer o que deseja? (Parte I - Queixas)


"Nada que alguém possa querer pode ser suficiente para satisfazer o desejo. Desejar, lembrava Lacan, é sempre desejar outra coisa, a ponto de podermos agradecer a quem não nos dá o que foi pedido".



Ou seja, não queremos o que desejamos. Queremos continuar desejando...Enfim, é disso que trata Forbes: do desejo, também presente na crônica "Basta de Queixas". Juntando os pensamentos de Forbes e alinhavando com os "Daquela que Seria", os da "Loira de Parar o Trânsito" e os meus, destaco:


"A queixa chega a ser a própria pessoa, seu carimbo, sua identidade: "Eu sou a minha queixa", poderia ser dito. (...)

A causa primordial de toda queixa é a preguiça de viver. Viver dá trabalho, uma vez que a cada minuto surgem um fato novo, uma surpresa, um inesperado que exige correção de rota na vida. Se não for possível passar por cima ou desconhecer o empecilho, menosprezando o acontecimento que pertuba a inércia de cada um, surge a queixa, a imediata vontade de culpar alguém, vontade que pode ir e vencer paranoicamente de que todos estão contra ela, que o mundo não a compreende e que todos estão contra ela, e que por isso ela é infeliz, pois nada que faz dá certo, enquanto outros, com menos qualidades, obtên sucesso. (...) Conclusão: se não fossem os outros, ele, o queixoso, seria maravilhoso. Por isso, toda queiza é narcísica [centrada na própria vaidade].

Temos de acrescentar que a queixa não surge só de uma dor ou de um desassossego, mas também quando se consegue um tento, uma realização. Aí a queixa serve de proteção à inveja do outro - sempre os outros! - e, tal qual uma criança que esconde os ovos de Páscoa até o outro ano, o queixante não declara sua felicidade para que ela não acabe na voracidade dos parceiros, podendo ele curti-la em seu canto, escondido, até o ano que vem, quando o coeolhinho passar de novo.

Em síntese (...): a queixa é um fechamento sobre si mesmo, uma recusa da realidade e um desconhecimento da dor da realidade. Não confundamos: é importante separar a queixa narcísica da reivindicação justa (...). Aliás, é comum o queixoso se valer da nobreza das justas reivindicações sociais para máscarar seu exagerado amor-próprio.

(...) "o tirem isso de mim" , base de toda queixa, perde seu vigor, revela-se para a pessoa em todo o seu aspecto fantasioso. [Diga sim ao entusiamo da aposta no novo. Portanto,] basta de queixas."(FORBES, 2005:9-11);

Ou seja, preciso tomar mais cuidado com as minhas queixas...Acho que elas andam sendo não tão justas e principalmente uma recusa em aceitar a minha própria responsabilidade sobre os fatos, as minhas escolhas e sobre o novo. Representam a minha convardia ante a embaraçosa falta de controle das novidades...



Como me foi dito por "Aquela que Seria":


"Mostramos ao outro exatamente o contrário daquilo que queremos que ele veja".


Ou seja, se damos uma de experto não é porque assim nos sentimos, mas na verdade vendemos essa imagem para que assim as pessoas não percebam quem somos: tolas... E aí indo as raízes de nossas especulações...


Geralmente me mostro independente, inteligente e sagaz. Tipo: "você não me pega nananam!". Mas não é que são justamente esses que acabam me pegando! Porque no fundo não sou tão inteligente, independente e sagaz como eu gostaria de ser e sou. E sim dependente/carente que muitas vezes se deixa enrolar como uma principiante bobinha e ainda se achando experte.


Existe sim um outro lado do discurso, o que realmente queremos dizer. Dizemos não o que é dito, mas o contrário disso. Afinal para toda afirmãção existe uma negação. O que é que negamos quando falamos? Quando escolhemos, o que é que é negado? As minhas queixas não me negam, afirmam quem sou, o que temo: a solidão, a frustração, o fracasso e o medo diante do inesperado e do caos. Minha queixa tenta negar exatamente aquilo que temo...Engraçado não é?

Um comentário:

  1. Interessante esse seu post sobre queixas. Está fazendo psicologia? Lembro de ter estudado um pouco sobre o tema.
    Atualmente tenho me policiado, quando começo a sentir que estou me queixando, respiro e mudo de assunto. Nem mentalmente ando me permitindo queixas. Faz mal para a gente.
    Já votei em você! Boa sorte!

    ResponderExcluir

Queres aclarar, observar, deduzir, narrar despretenciosamene? Bem-vindo! Caso queiras apenas maliciosamente criticar, por acaso não é seu espaço, nem virtual...