quinta-feira, 20 de agosto de 2009

O Santo não bateu


Felizmente ou infelizmente as relações da que quero falar não são do tipo sexuais, mas podemos dizer que são do tipo humana, mais específicamente aluno-professor...Sabe aqueles que você olha e diz: "Cara o Santo não bateu!". Pois é. isso aconteceu comigo. Na Psicanálise a gente chama essas reações no ato do contato de transferência e contra-transferência, ou seja, a gente atribui um significado a pessoa e ela a nós, positivo ou negativo. Pessoa legal, pessoa chata...


Em síntese, não é que o santo ou os Orixás desceram o cacete na pessoa, mas existe algo nela que nos encomoda e a gente responde a esse encomodo ou não...Sei lá como explicar isso.


Assim, pessoas que já sabe de tudo, tipo "e qual a novidade nisso";


Sem preconceito, porque eu tenho e amo amigos gays, mas aqueles que se sentem e disputam espaço e para arrematar falam uma abobrinha. Ai, eu detesto!


E finalizando a categoria anarquista, do tipo "vamos desconstruir, ninguém é de ninguém [bem a música dos Tribalistas]..." e você já está errado só porque existe. os argumentos sempre soam como uma afronta.


Ok! Confesso que dois desses três tipos foram personagens na minha vida e por isso minha tolerância a pessoas que se encaixam nesse perfil é zero. Me dá uma reiva. uma vontade de esbofetear...mas estou virando uma mocinha e falo baboseira do tipo...isso é compreensível, bem na linha diplomática e doida, no entanto, para mandar se fuder...Por que, por que, não posso fazer isso?


Owwwwwwwwwwww na ma shavaia...mantra

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Queres aclarar, observar, deduzir, narrar despretenciosamene? Bem-vindo! Caso queiras apenas maliciosamente criticar, por acaso não é seu espaço, nem virtual...