quarta-feira, 14 de outubro de 2009

O backSpace do e-mail não postado


oi,

sei que já faz muito tempo que a gente não se fala, nem se vê e sei que da última vez fui, na medida do possível, polidamente enfática quanto ao nosso termino, mas está sendo tão difícil sem você, sem os nossos sonhos. Há um vazio a que dento e lá fora é dolorosamente insuportável. Então...venha. Por favor! Venha me ver. E tente não me culpar, nem me cobrar, apenas venha. Venha me salvar de mim mesmo e do vazio que a falta dos nossos sonhos fazem.

Ao final do e-mail percebeu que se o enviasse o preço cobrado seria alto demais. Uma fatura de cartão sem fim e com juros. Então ela acabou apertando o backspace e insuportando aquele vazio, sozinha. Prefirou relizar uma chamada sem identificação e dela ouvir pelo menos a voz:

"- Alô. Pode falar.O que você quer ouvir?

E o silêncio perdurou na linha até que ela desligasse"

Dias antes ela já tinha recebida uma mensagem que dizia...

“Tem coisas que não precisam ser ditas, apenas vividas e sentidas. Sinto saudade...”


Se, ela pelo menos tivesse esperança que as coisas pudessem mudar, que dessa vez pudesse ser diferente, mas não. Dessa vez não restava mais nada: nem a esperança de que dias melhores poderiam vir...Foi melhor assim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Queres aclarar, observar, deduzir, narrar despretenciosamene? Bem-vindo! Caso queiras apenas maliciosamente criticar, por acaso não é seu espaço, nem virtual...