segunda-feira, 15 de março de 2010

Simplesmente Complicado


Saí de casa num dia que estava com a "síndrome do cachorro abandonado" - na tentativa de fazer algo por mim mesma sem esperar que algo cósmico e milagroso me salvasse de mim -quando descobri que estava em cartaz o filme "Simplesmente Complicado". Já tinha visto o trailer e parecia engraçado. Sem contar que na sinopse constava a palavra comédia. E não! Não constava a palavra comédia romântica, tragi-comédia, drama...Por quê? Por que ainda acreditar nas malditas sinopses? Estava escrito comédia. Ponto. Durante o filme comecei a ficar revoltada porque eu saí preparada para rir muito, no entanto, comecei a me perguntar será que as pessoas sabem do real significado da palavra comédia?

Claro, que tinha umas cenas engraçadas, mas no geral eu me pus muito reflexiva. E olha que saí preparada para rir, hem? Não tive nem como manter a máscara social do "está tudo bem!". Me projetei completamente no papel da personagem principal tentando reconstruir a vida enquanto pensava: "será que existe algo inacabado, mal-resolvido? Poderia ter sido diferente se...? Se tanta coisa. Sem mencionar quantas pessoas saem machucadas durante esse processo de descobertas.

O tiro de misericórdia em mim anunciou-se quando ela afirmou: "Nos amamamos, fomos muito felizes, apenas não combinamos mais". Imaginem você projetar ficar velhinha perto de uma pessoa e descobrir que durante todo um processo doloroso de separação, relativamente superado, vocês apenas não combinam mais? Pois é! Como era uma comédia Hollywoodiana deu-se um jeitinho e o final da situação foi aprazível. Acho que vou chamar a mesma produção para fazer algo assim por mim, quem sabe...

Para alguns, o filme pode ser simplesmente...simples, quem complica é a gente, principalmente quando você nunca passou por situações difíceis em cascata, onde você diz "parem o mundo que eu quero descer", matando um dragão por dia. Afinal quando a gente está muito bem , nossa visão de mundo para as coisas ruins ou difíceis fica simplesmente obnubilada. Eu quero, definitivamente, estar obnubilada, por favor...Mas ainda sim recomendo o filme.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Queres aclarar, observar, deduzir, narrar despretenciosamene? Bem-vindo! Caso queiras apenas maliciosamente criticar, por acaso não é seu espaço, nem virtual...