terça-feira, 27 de abril de 2010

De onde danado saiu a Helena?


Um dia passeando pela Biblioteca Zila Mamede vi uma obra de Machado de Assis chamada "Helena". Automaticamente pensei: "Aram! É daí que Manoel Carlos tira sua inspiração para fazer suas Helenas". E coloquei esse livro junto da minha listinhas de livros intitulada "Só para descansar o juízo", junto com "Doidas e Santas", "A Cabana" e "A Menina que Roubava Livros".

Sou fã de Machado, desde que li "Dom Casmurro" e "Lucíola" e ouvia os professores de literatura comentando sobre os traços psicológicos que ele imprimia as personagens, acho que daí se pode dizer que esboçava-se meu destino tão próximo do psicológico, afinal não há como amar sem admirar. Então primeiro admiro, contemplo e me supreendo com o que amo. Blá-blá vai e vem, caramba! Mas eu detesto as Helenas de Manoel Carlos. São tão surreais.

São mocinhas que nem sei se existiram no século passado. Vítimas do destino, as Helenas lutam vigorosamente como heroínas contra a dor provocada pelas peças que o destino insiste em pregar...Olha como só essa frase parece ridícula! Ok! Um pouco de fantasia não faz mal a ninguém, mas caramba não tem um momento que as Helenas baixem o barraco, que sejam humanas, estão sempre acima do bem e do mal? Caraca! Isso contrária até mesmo a lei do equilíbrio energético do Ying-Yang, bem- mal...Ok! Será que por isso de uns tempos para cá, as pessoas se identificam com os anti-heróis? Os mocinhos-bandidos, ou os bandidos-mocinhos?

Admito que não tenho muita vocação para mocinha. E dessas que apanham e dão o outro lado então: Fudeu! E olha que comecei a minha vida com o chicote em riste, querendo dar uma de Dorithy no "Mágico de OZ": fazendo boas ações, querendo o bem, me penitenciando se matasse uma formiga. "Mas a vida é uma caixinha de surpresas", já dizia o esquete de Joseph Klimber: mesmo sem querer magoar acabamos magoando e como aprendi "No body inocents".

Sendo assim, não sou uma mestre na vilania, ainda desejo o bem, mas não pise no meu calo não porque quando amo eu amo, mas quando eu odeio, eu também odeio...Fique longe! Então, por favor, coloque alguma Helena, mas real com os nossos tempos do que essa que é traída e segue feliz; que apanha na cara e se martiriza; que se sacrifica em nome da nação? Por isso que sempre me identifiquei mais com a "Mulher Gato" e a "Era Venenoza".... Ok! Com um pé na Mulher Maravilha tá?

Comments:
Ithalo: valeu tchuc!
Anônimo: conheço o jogo não mais vou conferir

Um comentário:

  1. Massa!
    Já ouvi falar em Helena de Machado...
    Mas essa Helena de VIver a VIda, podre né?
    FOra aquele momento de Helena com Bruno fazendo cena de filme na praia.

    Beijo e T'mais!

    ResponderExcluir

Queres aclarar, observar, deduzir, narrar despretenciosamene? Bem-vindo! Caso queiras apenas maliciosamente criticar, por acaso não é seu espaço, nem virtual...