sábado, 11 de dezembro de 2010

Lendo a "Arte da Guerra" (parte I)


Esse livro de Sun Tzu exige concentração. Não é um livro que se lê no "vapu". É preciso refletir e pensar nas aplicações que as possíveis interpretações podem trazer para o dia-a-dia, afinal a vida não deixa de ser uma guerra diária em busca de paz. Por isso que aqui e acolá vou postar alguns ensinamentos captados durante a leitura entre um post e outro aqui no blog.Lá vai...
  1. Diante de um embate vigoroso seja firme em suas decisões. Explique. Argumente, mas não titubeie quanto ao que realmente pensas, uma vez que tal atitude pode ser tomada como sinal de fraqueza;
  2. O não domínio das emoções facilmente desautoriza e desestabiliza o ataque, bem como o discurso do inimigo;
  3. Ao se dispor para o ataque conheça bem o "terreno" seus pontos fracos e fortes para elaboração de planos diretos e indiretos somente desse modo pode-se saber onde concentrar ou subdividir forças;
  4. Somente os corajosos conseguem se agarrar sem hesitação às oportunidades, caso contrário será incapaz de resolver dúvidas e arquitetar grandes planos;
  5. Rapidez e vantagens devem ser avaliadas nas situações;
  6. Todo guerreiro se baseia em simulação:...o capaz fingirá ser incapaz e o ativo inativividade. E quando próximo finja estar longe e quando longe finja estar próximo (as estratégias de ataque e retirada);
  7. Evite o inimigo onde ele se mostra forte;
  8. Quando estiver unido, desagregue-o. Se o apoio vier da direita, ataque pela esquerda e vice-versa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Queres aclarar, observar, deduzir, narrar despretenciosamene? Bem-vindo! Caso queiras apenas maliciosamente criticar, por acaso não é seu espaço, nem virtual...