sábado, 8 de janeiro de 2011

Lendo a "Arte da Guerra" (parte II)


ESTUDO DAS CONDIÇÕES PARA GUERRA
  1. "Quando se movimenta as tropas, é essencial conhecer em primeiro lugar as condições do terreno[...] A compreensão do local onde a batalha vai ser travada indicará onde se devem concentrar ou subdividir as forças;
  2. Sobre as virtudes de um general[...] se for sábio [reconhecerá] mudanças rapidamente; se for sincero seus homens acreditaram em suas recompensas e castigos; se for humano [reconhecerá] o engenho e o esforço. Se for corajoso alcançará a vitória agarrando-se as oportunidades sem hesitação. Se for exigente, suas tropas serão disciplinadas;
  3. Se um general não é corajoso, será incapaz de resolver dúvidas arquitetar grandes planos";
  4. [...]Atuar de acordo com o que lhe é vantajoso para poder controlar os resultados;
  5. Todo guerreiro se baseia em simulação;
  6. Assim, o capaz se fingirá incapaz e o ativo aparentará inatividade;
  7. Quando próximo finja estar longe;quando longe finja estar próximo [o soldado morto];
  8. Evite-se inimigo onde ele se mostrar forte;
  9. [Quando] encolerizado, a autoridade do general pode ser facilmente desfeita. Não dispõe de firmeza de caratér;
  10. Se o general inimigo é teimoso e dado a fúrias, deve ser insultado e enfurecido para que, irritado, confuso e sem planos, seja atacado sem preocupações;
  11. Deêm-se rapaizinhos e mulheres aos inimigos para o desvairar, e jades e sedas para excitar as suas ambições;
  12. Quando vier em apoio da direita, ataque-o pela esquerda; quando ocorrer em socorro da esquerda, ataque-o pela direita;
  13. Quando estiver unido, desagregue-o.
Sun Tzu. A Arte da Guerra.São Paulo:martin Claret, 2001

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Queres aclarar, observar, deduzir, narrar despretenciosamene? Bem-vindo! Caso queiras apenas maliciosamente criticar, por acaso não é seu espaço, nem virtual...