sábado, 27 de agosto de 2011

Testemunho de uma viciada

Eu sabia que não poderia estar ali, mas estava. Os meus olhos corriam de um lado para outro. Tentando focar em quem passava, em outras coisas, me distrair... mas meus olhos sempre paravam lá...Eu sabia que não podia, que não devia...Então decidi me afastar da tentação. Voltei para casa, correndo. Obrigando que aqueles pensamentos saíssem da minha cabeça. Não podia pensar, não queria pensar...E daí me entretive no cansaço, com o caminho de volta para casa, com o papo-vazio, com a tosse gripal...E no outro dia ao acordar, meu corpo tremia, queimava, clamava porque precisava ficar fora de si...Aquela sensação de prazer incomensurável circulando dentro do corpo, na superfície da pele...Chega! 
"- Ei! Vamo ali? - a usuária hum
-Vamo nessa!" - o usuário dois
- Vocês estão doidos! Não vão!- o careta.

A caçada desenfreada pelo prazer imediato começara...aquela fissura...não era mais desejo, mas necessidade, vontade..."necessidade, desejo". E fomos as tocas em plena manhã, sem medo de ser pegos. Sem medo da censura, da recriminação. Sem se importar com a falta de grana. Era uma atividade subterrânea..."
"- E aí? Você tem? - a usuária hum
- Acabou! Pode ser para daqui alguns dias? - o vendedor
- Não eu quero agora! - a usuária hum
- Liga mais tarde então. Vou ver se a minha colega tem lá..." -  o vendedor

O coração batia mais rápido à medida em que se escutava: "Não!". "Não tem!".Era preciso esperar pela tarde. E a expectativa da espera causava uma analgesia confortável. A barreira entre o lícito e o ilícito é bem tênue, mas naquele dia, custasse o que custasse, precisavamos de mais uma dose.
E não era uma dose qualquer. Precisávamos de uma dose de Claudio Willer com a obra Geração Beat da editora L & PM Pocket por R$ 13,00. O grande problema é que em Campina Grande, na Paraíba, está mais fácil conseguir drogas do que comprar livro. Afinal, onde tem livraria mesmo aqui, hem? E são as bancas de revista a atual fonte da atividade subterrânea da necessidade, vontade, desejo, vício em ler.

Comments: 
Jad: informações sobre a camisola mando por e-mail; 

Larrisa: a camisola é linda mesmo, mas são dois tipos de madrinha. Sou madrinha de batismo e minha afilhada tem 07 anos e sou madrinha de casamento...Quanto ao presente confesso que já pensei nisso, ou melhor nos valroes e nada me passa à cabeça do que dar dentro do que eles gostariam e o que posso pagar. Como também tenho certeza que eles vão dizer esquente não...Não nos disponibilizando uma lista para que possamos escolher algo do agrado, mas...vamos nessa!







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Queres aclarar, observar, deduzir, narrar despretenciosamene? Bem-vindo! Caso queiras apenas maliciosamente criticar, por acaso não é seu espaço, nem virtual...