quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Quarta irônica: resíduos do feriadão

Um quarteto entra numa loja de artigos exotóricos em cidade turistica daí pergunta-se a vendedora:
- Ah! O que significa isso? - personagem 1( p1)
-  É...é...é... - vendedora
- E isso aqui? -p1
- É...é...é...- vendedora
- Bem, esse símbolo é chamado de Om (ॐ) e representa o som do universo. Um mantra de harmonização - personagem 2 (p2) 
- Sim... E esse? - p1
A vendedora... - Não sei!
- E o gato? Por que as pessoas usam tanto imagens de gato?
- Na verdade as pessoas inventam isso- a vendedora
Na mesma hora pensa-se não seria tudo na vida uma invenção? Como é que a pessoa não sabe nada sobre os produtos que vende? E onde está o empresário que não investe em capacitação de pessoal? Saber sobre o produto para vendê-lo não é importante não!?
- Na Idade Média os gatos e as bruxas eram símbolos de mágia e de poder -p2
- É o povo inventa né!?- vendedora
- E isso aqui? Um sapo? -p1
- Na filosofia oriental o sapo representa renovação...-p2
- E o olho grego? - p1
- A ideia de reflexo. Refletir aquilo que nos ameaça como na pintura de René Magitte, "Espelho falso"...O olho que relfete...-p2
Bem, diante da cara feia da vendedora houve uma batida em retirada massiva, mas que não representou em perdas para a loja já que a personagem número um comprou produtos exotéricos mesmo assim...Vamos dar um basta pela priorização da mão-de-obra barata e não-qualificada né!? Por que até para vender é preciso saber vender...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Queres aclarar, observar, deduzir, narrar despretenciosamene? Bem-vindo! Caso queiras apenas maliciosamente criticar, por acaso não é seu espaço, nem virtual...