domingo, 29 de janeiro de 2012

Até os defeitos dizem sobre o nosso inteiro



"(...) Frescura. (...) Não preciso de música. Nem tenho lugar para guardar tanto CD. Coisa mais antiga, CD. Também não preciso de porta-retrato, sei de memória o rosto das minhas filhas, mesmo o de quando elas eram crianças. Não preciso de estantes abarrotadas de livros, coisa mais inútil, e eles ainda acumulam pó. Não preciso de quadro: ninguém presta atenção mesmo e furar paredes é um troço que às vezes dá errado. Não preciso de escultura. Não preciso de abajur. Não preciso de espelhos. Não preciso de guardanapos de pano. Não preciso de toalhas estampadas. Não preciso de lembranças de viagem. Não preciso de lembranças. Não preciso de viagens.

E poderia seguir dizendo que não preciso de cor não preciso de beleza, não preciso de sonho, não preciso de arte, não preciso de criatividade, não preciso de diversão não preciso de prazer, não preciso de senso estético, não preciso de humor e também não preciso traduzir minha alma e minha história de vida em tudo o que cerca. Mas isso equivaleria a dizer que não preciso de mim" (MEDEIROS, Martha. Eu não preciso de almofada. Porto Alegre, RS: L & PM, 6 ed. Feliz por Nada, 2011:80-81)


Ao som de...

"Quando chover, deixar molhar pra receber o sol quando voltar.  Lembrará os dias que você deixou passar sem ver a luz. 
Tem vez que as coisas pesam mais.
Nessa hora fique firme, pois tudo isso logo vai passar.
Você vai rir, sem perceber, felicidade é só questão de ser"  
(Felicidade por Marcelo Jeneci)



Coments:
Jad: Eu até sabia das dicas que você listou para maquiagem, só não conhecia a esponja triangular. Apenas adaptei esses conhecimentos para meu estabanamento e impaciência ;). Mesmo assim valeu!








Nenhum comentário:

Postar um comentário

Queres aclarar, observar, deduzir, narrar despretenciosamene? Bem-vindo! Caso queiras apenas maliciosamente criticar, por acaso não é seu espaço, nem virtual...