quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Casar não casando no primeiro dia do ano (PARTE II) na quarta irônica atrasada

Pois é! Não é mais o primeiro dia do ano, mas a história do casório finalmente teve seu desfecho. Com os originais dos documentos em punho lá vamos nós pro cartório. 

A noiva trajava uma bela calça jeans, uma blusa vermelha e um cabelo levemente desgrenhado. Desapego? Praticidade? Não! Depois que assinaram meio mundo de papéis enquanto eu tremia feito vara verde, a escrivã  deu um cartão de um caminhão de mudanças para o noivo e na saída...

- Agora você é casada! Quem vai beber cachaça comigo agora?
- Ham?Mas o casamentona na igreja é em fevereiro.
- Não senhora! Lá é a satisfação social. Você já está oficialmente casada. Na igreja você vai escrever atestando que recebeu seus papéis e somente.
- O que? Mais eu ainda tinha uns dia pra pensar. Como assim? Pensei que estava dando entrada nos papéis...
- Mais que entrada "mulhê"? A entrada foi naquela primeira vez que deixamos parte dos documentos no cartório.
- Ai Meu Deus! Fudeu, fudeu, fudeu....

E como num mantra anoiva/esposa repetia "Fudeu, fude, fudeu..." com as mãos na cara enquanto o noivo ria dela e procurava uma champanhgen numa tarde da segunda-feira de 2012.  Ela saiu em todas as fotos com uma ruga no meio da testa maior do que tudo,  inconsolável.

Um comentário:

Queres aclarar, observar, deduzir, narrar despretenciosamene? Bem-vindo! Caso queiras apenas maliciosamente criticar, por acaso não é seu espaço, nem virtual...