quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Para ironia uma dose de Woody Allen (parte I)

"Quando a porta do meu escritório se abriu e uma loura, de cabelos compridos (...) entrou rebolando e dizendo que posava para determinadas revistas e que precisava de minha ajuda, minhas glândulas salivares passaram uma terceira e aceleraram (...) tinha mais curva do que uma tabela de estatística e seria capaz de provocar uma parada cardíaca até num caribu (...)"
- Quero que encontre uma pessoa: Deus - afirma a loura
- Deus? - responde o detetive particular
- -Tenho que entregar minha tese atá janeiro e quero ter certeza de que Deus existe. O professor disse que se alguém provar aluma coisa, ganhará nota máxima. E papai disse que me daria um Mercedes se eu conseguisse"

A história dela começava a me interessar. Intelectualoide mimada. Corpo nota 10: e um QI que eu gostaria de conhecer melhor...

- Suspeito que Ele esteja em toda parte. No ar, nas flores, em você em mim - talvez nesta cadeira - a loura

Ela era panteísta. Prometi que iria dar uma espiada por aí  - por 100dólares ao dia, mais as despesas e um convite para jantar (...) Minha primeira pista era o rabino Itzhak que me devia um favor:

-Então como sabe que Ele existe? - perguntou o detetive particular
- Que pergunta mais cretina! Como eu poderia usar um terno caro como esse se Ele não existisse? Olhe aqui, sinta o tecido. Caríssimo! Como posso duvidar de sua existência? - o rabino
- Mas só isso? - indaga o detetive
- E você acha pouco?E o Velho Testamento, o que acha que é? Um suplemento esportivo? E como acha que Moisés conduziu os hebreus para fora do Egito? Sapateando e gritando oba? - o rabino

Foi isso aí! Os judeus estavam todos no esquema. Sabem, aquela velha jogada de pagar proteção? Toma lá, da cá. E, pelo o que o rabino falava, Ele tomava mais do que dava. Fui a um salão da bilhares a procura de Chicago Phil. Falsificador, assaltante de bancos, meliante célebre e ateu confesso:

- O cara não existe. O resto é conversa fiada. Cascata pura. Essa história de Chefão é farol. Na ralidade, é uma quadrilha inteira que age em Seu nome. A maior parte sicilianos. Internacional, sacou? Mas sem essa de dizer que um deles é O Cara. Vá por mim. O Cara não existe. Branco total. Eu não passaria metade dos cheques sem fundo ou engrupiria os outros, como faço, se tivesse a menos sensação da autenticidade do Ser. O universo é estritamente fenomenológico. Nada é eterno. Tudo é sem sentido.

Tomei uma cerveja numa birosca e fiquei a juntar as pontas...

(ALLEN, Woody. Tradução de Ruy Castro. "O Cara" In.: Cuca Fundida. 13ed. Porto Alegre: L & PM, 2010: 13-25, v.133)

Commets:
Jéssica: Olá ! Seja bem vinda ao cantinho virtual do Xodó na cidade.Porque sei que qualquer evidência de ser muitas coisas ao mesmo tempo é muito difícil.

Íthalo: ;)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Queres aclarar, observar, deduzir, narrar despretenciosamene? Bem-vindo! Caso queiras apenas maliciosamente criticar, por acaso não é seu espaço, nem virtual...