segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Se essa moda pega

A alguns dias os noticiários televisivos reportam o escândalo da BBC. Inicialmente associado a uma falsa denuncia de pedofilia por um político conservador seguido de outra denuncia também de pedofilia. Desta vez praticada por um de seus principais comunicadores: Jimmy Savile. A polícia britânica estima que 300 pessoas foram vítimas de abuso sexual durante quatro décadas. 

E onde está o "contagio" da moda? Na investigação. Sendo a BBC um serviço público financiado pelos cidadãos britânicos deve garantir entre outras coisas transparência nos serviços e maior foco em programas que criem valor público, ou seja, que informem, eduquem e entretenham. Então, se a BBC considerada umas das emissoras de maior prestígio do mundo precisa prestar esclarecimentos por quê a concessão da televisão no Brasil também não? Será que vamos esperar um escândalo do quilate do britânico para que isso se dê?

O fato é que ninguém manterá uma empresa que dá prejuízos e apesar disso a rede de telecomunicações parece querer afastar da luz esse debate, inclusive trazendo a tona os fantasmas de uma ditadura estatal, a exemplo dos governos de orientação socialista, e junto a esses a possibilidade de ameaça a liberdade de impressa. 

"O Estado brasileiro está prestes a potencializar os negócios privado-comerciais da televisão com a outorga de faixas complementares de espectro, sem que disponha de mecanismos mínimos de fiscalização e controle do bom uso desse espectro. Isto apenas do ponto de vista técnico, pois o cenário fica ainda mais complexo quando se lança os olhos para o que será transportado nesse espectro".

Enfim, é interessante que sendo um serviço básico que deve ser universalisado assim como água, luz, telefonia cuja prestação não pode ser de livre arbitro do mercado, na verdade seja privado e regulado pela não obrigatoriedade de universalização, nem de continuidade e nem qualidade? Afinal, são os interesses de quem mesmo que estão sendo defendidos hem? É ou não é um caso a se investigar?
  


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Queres aclarar, observar, deduzir, narrar despretenciosamene? Bem-vindo! Caso queiras apenas maliciosamente criticar, por acaso não é seu espaço, nem virtual...